Please use this identifier to cite or link to this item: http://www.alice.cnptia.embrapa.br/alice/handle/doc/1029636
Research center of Embrapa/Collection: Embrapa Tabuleiros Costeiros - Artigo em anais de congresso (ALICE)
Date Issued: 2015
Type of Material: Artigo em anais de congresso (ALICE)
Authors: IVO, W. M. P. de M.
SILVA, E. F. da
SILVA, P. A.
SANTOS, A. K. B. dos
AMARAL, A. C. do
SANTIAGO, A. D.
Additional Information: WALANE MARIA PEREIRA DE MELLO IVO, CPATC; ELIENAI FERREIRA DA SILVA; PAULO ALBUQUERQUE SILVA; ARTHUR K. BELAMINO DOS SANTOS; ANDRE CAMARA DO AMARAL; ANTONIO DIAS SANTIAGO, CPATC.
Title: Produção e decomposição de palhada em área de cultivo de cana-de-açúcar, nos Tabuleiros Costeiros de Alagoas.
Publisher: In: CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIA DO SOLO, 35., 2015, Natal. O solo e suas múltiplas funções: anais. Natal: Sociedade Brasileira de Ciência do Solo, 2015.
Language: pt_BR
Keywords: CANA-DE-AÇÚCAR
Description: O objetivo deste trabalho foi determinar a produção, a dinâmica da decomposição e a liberação de C e N da palhada da cana-de-açúcar, na região dos Tabuleiros Costeiros de Alagoas. O experimento foi conduzido na Usina Coruripe, nas safras 2010/2011, 2011/2012 e 2012/2013. Os tratamentos estudados foram cinco percentuais de palha deixados sobre a superfície do solo: 0 (T0), 25 (T25), 50 (T50), 75 (T75) e 100% (T100) do total de palhada produzida. A quantificação da produção da palhada foi feita a partir da coleta das quatro linhas centrais de cada parcela. O estudo de decomposição dos resíduos culturais foi feito utilizando-se a metodologia dos sacos de náilon (litter bags). A produção de palhada variou de 22 Mg ha-1, para cana planta, a 12,6 na socaria, com a média geral de 16,7 Mg ha-1. A liberação do carbono seguiu um modelo exponencial e as taxas variaram de k=0,0026 d-1 a k=0,0043 d-1, com as maiores taxas de decomposição da palhada da cana -de-açúcar ocorrendo sob as maiores percentagens de cobertura morta (75% e 100%). Os modelos que explicaram a dinâmica do N foram equações polinomiais de 2º e 3º graus. De forma geral, só após os 300 dias é que ocorreu a diminuição da quantidade de N na palhada, o que seria o indicativo da liberação deste nutriente para o solo, coincidindo com os valores da relação C/N de 28 a 30. Diferentes proporções de cobertura morta sobre a superfície do solo não influenciaram a rodução de palhada pela cana-de-açúcar.
Thesagro: SOLO
PALHADA
Data Created: 2015-11-26
Appears in Collections:Artigo em anais de congresso (CPATC)

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
ResumoWalaneCBCS1.pdf188,02 kBAdobe PDFThumbnail
View/Open

FacebookTwitterDeliciousLinkedInGoogle BookmarksMySpace