Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://www.alice.cnptia.embrapa.br/alice/handle/doc/160682
Unidade da Embrapa/Coleção:: Embrapa Semiárido - Artigo em anais de congresso (ALICE)
Data do documento: 14-Fev-2008
Tipo do Material: Artigo em anais de congresso (ALICE)
Autoria: FERREIRA, G. B.
MENDONÇA, C. E. S.
CHAVES, V. C.
MOTTA, E. F.
RIBEIRO, F. N.
SILVA, S. dos A. B. e
SILVA, M. S. L. da.
Informaçães Adicionais: Gizelia Barbosa Ferreira, UNEB; Cláudio Evangelista Santos Mendonça, CNPQ; Vanessa Carine Chaves, FFPP/UPE; Ernando Ferreira Motta, CPATSA; Fabiano Neri Ribeiro, UNB; Sibery dos Anjos Barros e Silva, FUNDER; Maria Sonia Lopes da Silva, CNPSolos/UPE Recife.
Título: Produção de fitomassa e composição química de plantas utilizadas em coquetéis vegetais para cobertura de solo e adubação verde no Vale do São Francisco.
Edição: 2007
Fonte/Imprenta: In: CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIA DO SOLO, 31., 2007, Gramado. Conquistas e desafios da ciência do solo brasileira: anais. Porto Alegre: SBCS, 2007.
Idioma: pt_BR
Palavras-chave: Solo
Conservação
Adubação verde
Diversidade
Fitomassa
Produção
Vale do São Francisco
Conteúdo: A utilização de plantas de cobertura e adubos verdes em solos aumenta a biodiversidade dos agroecossistemas, melhorando o solo nos aspectos físicos, químicos e biológicos. Na região semi-árida do Nordeste do Brasil, especificamente no Vale do São Francisco, os estudos sobre a utilização de cobertura do solo/abução verde estão começando, mesmo em áreas irrigadas, com características climáticas bem diferentes do sul do Brasil, onde estudos sobre essas práticas de manejo estão mais avançados. Este trabalho teve como objetivo avaliar a produção e a composição química das espécies vegetais utilizadas em cobertura de solo e adubação verde no Vale do São Francisco. O trabalho foi conduzido em uma área de produção de manga orgânica, no Projeto de Irrigação Senador Nilo Coelho, em Petrolina-PE, utilizando onze espécies, entre leguminosas e não leguminosas (gramíneas e oleaginosas), plantadas no sistema de coquetéis vegetais (misturadas) em diferentes composições e proporções que constituíram os diferentes tratamentos (T): T1 - 100 % não leguminosas; T2 - 100% leguminosas; T3 - 75% leguminosas e 25% não leguminosas; T 4 - 50% leguminosas e 50% não leguminosas; T5 - 25% leguminosas e 75% não leguminosas; T6 - Testemunha. Após 100 dias do plantio as espécies foram cortadas na altura do colo. Para avaliação da contribuição de cada espécies na produção total de fitomassa por tratamento, estas foram separadas e pesadas, obtendo-se assim a produção total da fitomassa verde produzida por cada espécie em cada tratamento. Depois de efetuado a medição da pesagem, a fitomassa foi depositada sobre o solo, na projeção da copa das mangueiras. Subamostras da fitomassa produzida foram retiradas para serem encaminhadas ao laboratório, colocadas em estufa a 60 °C até atingir peso constante, posteriormente foi determinada a produção de fitomassa seca por espécie em cada tratamento. Em seguida, as subamostras foram misturadas, conforme proporção no coquetel, e submetidas à análise química para determinação dos teores de macro e micronutrientes. O T3, T4 e T5 apresentaram as melhores opções de coquetel vegetal para os perímetros irrigados do Vale do São Francisco, segundo a produção de fitomassa e composição nutriconal.
Ano de Publicação: 2007
Aparece nas coleções:Artigo em anais de congresso (CPATSA)

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
OPB1690.pdf65,89 kBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir

FacebookTwitterDeliciousLinkedInGoogle BookmarksMySpace