Please use this identifier to cite or link to this item: http://www.alice.cnptia.embrapa.br/alice/handle/doc/330881
Research center of Embrapa/Collection: Embrapa Solos - Tese/dissertação (ALICE)
Date Issued: 1985
Type of Material: Tese/dissertação (ALICE)
Authors: GOMES, I. A.
Additional Information: IDARE AZEVEDO GOMES, CNPS.
Title: Caracterização e gênese do podzólico vermelho-amarelo álico de argila de atividade alta da região úmida do nordeste brasileiro.
Publisher: 1985.
Pages: 198 f.
Language: Portugues
Notes: Tese (Doutorado em Agronomia) - Escola Superior de Agricultura "Luiz de Queiroz", Universidade de São Paulo, Piracicaba. Orientador: José Luiz Ioriatti Demattê.
Keywords: Caracterização
Gênese
Description: O presente trabalho foi conduzido com a finalidade de se obter informações sobre a caracterização e gênese do Podzólico Vermelho- Amarelo Álico, argila de atividade alta, distribuídos principalmente na zona costeira dos estados da Bahia. Alagoas e Pernambuco em ambiente údico do perúdico de umidade e isohipertérmico de temperatura. Foram amostrados quatro pedons, sendo dois desenvolvidos de folhelhos ( pedons 1 e 2 ) e dois de conglomerados constituídos por calhaus e matacões de granito e guaisse em matriz arcosiana ( pedons 3 e 4 ). A caracterização dos solos incluiu análise morfológico, física, química, mineralógicas das frações areia, silte e argila, e micromorfológica dos seus principais horizontes. As análises físicas e químicas executadas foram as de rotina de levantamento de solos acompanhadas da determinação dos limites de liquidez, plasticidade e contração, ferro e alumínio pelo citrato-bicarbonato-ditionito (CBD) e oxalato de amônio, amorfos por dissolução seletiva e potássio total pelo ataque ácido. Nas análises mineralógicas foram empregados mátodos óticos, análise térmica diferencial (ATD) e Raios - X. Tais solos apresentam coloração vermelha, as vezes variegada, no horizonte B associada a cores mais amareladas e mosqueados com cromas altos nos horizontes superficiais, principalmente no topo do horizonte B. A estrutura do horizonte B é prismática composta de blocos subangulares e angulares bem desenvolvidos, algumas vezes herdada do material de origem. É comum certos pedons, a ocorrência de superfícies de fricção. O horizonte A apresenta textura média que contrasta com a argilosa e muito argilosa do horizonte B, conferindo aos solos um caráter abrúptico. Os solos possuem horizonte A moderado sobre horizonte B textual, argila de atividade alta, são dessaturados, álicos e os teores de alumínio trocável (A1- KC1 N) são superiores a 6,0 meq/100 g de solo no horizonte B textural, teores estes que aumentam com a profundidade do solo. O índice de atividade da fração argila no horizonte B apresenta valores no limite entre materiais de baixa e alta expansão, indicando um grau de intemperismo moderado. O quartzo é o mineral predominante nas frações areia e silte, acompanhado nos horizontes inferiores por feldspato e muscovita ou biotita. A haloisita ocorre na fração silte, principlamente nos horizontes inferiores. Os principais minerais que ocorrem na fração argila desses solos são caulinita, ilita, esmectita-cloritizada, interestratificados ilita-esmec-tita e ilita-vermiculita, aluminosilicatos amorfos, hematita e goetita. Os interestratificados só ocorrem nos pedons 1 e 2, desenvolvidos de folhelho, enquanto que a esmectita-cloritizada só aparece nos pedons 3 e 4 desenvolvidos de conglomerado. A esmectita e esmectita-cloritizada são muito instáveis nos horizontes superficiais, principalmente a partir do horizonte de Btl. A caulinita é o argilo-mineral predomenante em todos os pedons e os seus teores aumentam em direção à superfície dos solos. Este mineral é formado a partir da alteração dos feldspatos, haloisitas e esmectitas, ou em parte herdade do material de origem. Na classificação brasileira os solos foram enquadrados em podzólico Vermelho-Amarelo Álico que apresentam argila de atividade alta ou média a alta no horizonte B textural. Na classificação americana esses solos foram classificados como Epiaquic Tropudult (pedons 1, 2 e 3) e "Epiaquic" Paleudult (pedons 4) e a nível de família como clayey, kaolinitic ou mixed, isohyperthemic. As características morfológicas do pedon 4 sugerem a necessidade de criação do subgrupo Epiaquic para os Paleudults.
Thesagro: Podzólico
Solo
Data Created: 2002-11-22
Appears in Collections:Tese/dissertação (CNPS)

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Tese-doutorado-Idare-Azevedo-Gomes-1985.pdf15,77 MBAdobe PDFThumbnail
View/Open

FacebookTwitterDeliciousLinkedInGoogle BookmarksMySpace