Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://www.alice.cnptia.embrapa.br/alice/handle/doc/465613
Unidade da Embrapa/Coleção:: Embrapa Soja - Resumo em anais de congresso (ALICE)
Data do documento: 10-Out-2003
Tipo do Material: Resumo em anais de congresso (ALICE)
Autoria: PULCINELLI, C. E.
HENNING, A. A.
KRZYZANOWSKI, F. C.
Informaçães Adicionais: CARLOS EDUARDO PULCINELI, CNPSo; ADEMIR ASSIS HENNING, CNPSO; FRANCISCO CARLOS KRZYZANOWSKI, CNPSO.
Título: Patógenos em semente de cultivares de soja.
Edição: 2003
Fonte/Imprenta: Informativo ABRATES, Londrina, v. 13, n. 3, p. 245, set. 2003. Número especial, ref. 367.
Idioma: pt_BR
Notas: Edição dos Resumos do XIII Congresso Brasileiro de Sementes, Gramado, RS, set. 2003.
Conteúdo: A incidência dos principais patógenos em semente de soja é afetada pelas condições climáticas durante o ciclo vegetativo, principalmente a ocorrência de chuvas durante as fases de maturação e colheita, podendo haver variação em função do ciclo vegetativo das cultivares. O objetivo deste trabalho foi avaliar a incidência dos principais patógenos em semente de diferentes cultivares de soja recomendadas para ciltivo no Estado do Mato Grosso. Foram avaliadas 69 cultivares agrupadas em três grupos de maturação, precoce (P), médio (M) e tardio (T). A semente foi colhida em experimento instalado em novembro de 2002, em Primavera do Leste, MT. O delineamento utilizado foi blocos completos casualizados, com quatro repetições, sendo a analise feita pelo método do papel de filtro (blotter), 200 sementes/repetição. Após o período de incubação de sete dias a 22 ºC, foram anotadas as porcentagens de ocorrência de Cercospora kikuchii (Ck), Colletotrichum truncatum (Ct), Fusarium semitectum (Fs), Phomopsis sp. (Ps) e bactérias (b) na semente. Os resultados das análises estatísticas revelaram existir diferenças altamente significativas entre os grupos de maturação P, M e T para a incidência de (Fs) e (Ps), onde a menor incidência ocorreu nas cultivares do grupo tardio e a maior no grupo precoce. Para os demais patógenos, a análise de variância não revelou diferenças significativas entre grupos de maturação. Os efeitos de cultivares dentro dos grupos de maturação foram altamente significativos, para todos os patógenos avaliados, revelando existir comportamento diferencial entre as cultivares em relação à presença dos patógenos na semente. As amplitudes de variação das médias foram bastante elevadas, nos três grupos de maturação, para todos os patógenos avaliados, exceto a incidência de bactérias que foi baixa. Esses resultados indicam existir comportamento diferencial em relação à incidência dos patógenos de semente sobre os grupos de maturação, para F. semitectum, e Phomopsis sp., e principalmente entre as cultivares dentro de grupos de maturação, para todos os patógenos avaliados.
Thesagro: Soja.
Ano de Publicação: 2003
Aparece nas coleções:Resumo em anais de congresso (CNPSO)

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
id221240001.pdf406,06 kBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir

FacebookTwitterDeliciousLinkedInGoogle BookmarksMySpace