Please use this identifier to cite or link to this item: http://www.alice.cnptia.embrapa.br/alice/handle/doc/492446
Research center of Embrapa/Collection: Embrapa Acre - Tese/dissertação (ALICE)
Date Issued: 2009
Type of Material: Tese/dissertação (ALICE)
Authors: LIMA, L. M. da S.
Additional Information: Lilian Maria da Silva Lima, Universidade Federal do Acre (Ufac).
Title: Biologia reprodutiva e variabilidade genética de Bertholletia excelsa Bonpl. em um plantio no Acre.
Publisher: 2009.
Pages: 43 f.
Language: pt_BR
Notes: Monografia (Graduação em Engenharia Florestal) - Universidade Federal do Acre, Rio Branco. Orientação: Lúcia Helena de Oliveira Wadt.
Keywords: Castanha-do-brasil
Castanha-do-pará
Description: O presente trabalho teve por objetivos estudar a biologia reprodutiva, aspectos da morfologia floral e os padrões fenológicos da castanheira em situação de plantio no estado do Acre. Todas as árvores do plantio foram avaliadas quanto aos eventos fenológicos. Para avaliação do sistema reprodutivo flores de cinco árvores foram submetidas a tratamentos de polinização controlada. O horário da antese foi verificado em 150 botões florais. Grãos de pólen e estigma foram verificados quanto à viabilidade e receptividade, respectivamente, num período de 12 horas consecutivas a partir do momento da abertura total das flores. Visando verificar diferenças morfológicas nas flores de diferentes castanheiras, flores de seis árvores foram coletadas e avaliadas morfometricamente. Análise da variabilidade genética de todas as árvores, por meio de marcadores RAPD, também foi realizada para verificar o relacionamento genético entre as árvores do plantio. O ponto máximo de floração, nos anos de 2007 e 2008 ocorreu no mês de dezembro. As flores polinizadas não resultaram no desenvolvimento de frutos, sendo necessário repetir o experimento. O horário da antese da flor da castanheira foi às 3h. O horário em que o estigma da flor se mostrou mais receptivo foi por volta das 10h, enquanto que a maioria dos grãos de pólen (cerca de 60%) estavam viáveis no período de 6 às 8h. O período mais indicado para polinização artificial foi das 9 às 12h. As flores analisadas apresentaram características morfológicas específicas para cada árvore, com exceção de duas árvores que não puderam ser diferenciadas. As castanheiras desse plantio foram geneticamente diferentes contrariando a hipótese de clones. Aparentemente há maior diversidade genética representada no plantio do que em árvores de duas populações naturais do Estado do Acre.
Data Created: 2009-04-09
Appears in Collections:Tese/dissertação (CPAF-AC)

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
21115.pdf529,25 kBAdobe PDFThumbnail
View/Open

FacebookTwitterDeliciousLinkedInGoogle BookmarksMySpace