Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://www.alice.cnptia.embrapa.br/alice/handle/doc/994194
Unidade da Embrapa/Coleção:: Embrapa Amazônia Oriental - Artigo em anais de congresso (ALICE)
Data do documento: 4-Set-2014
Tipo do Material: Artigo em anais de congresso (ALICE)
Autoria: CORDEIRO, M. N. dos S.
LEMOS, O. F. de
RODRIGUES, S. de M.
MENEZES, I. C. de
Informaçães Adicionais: Mayara Nani dos Santos Cordeiro, ALUNA UFRA; ORIEL FILGUEIRA DE LEMOS, CPATU; SIMONE DE MIRANDA RODRIGUES, CPATU; ILMARINA CAMPOS DE MENEZES, CPATU.
Título: Controle da oxidação e indução de brotos in vitro em ápices caulinares de Schizolobium amazonicum Huber ex Ducke.
Edição: 2014
Fonte/Imprenta: In: SEMINÁRIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA, 18.; SEMINÁRIO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA EMBRAPA AMAZÔNIA ORIENTAL, 2., 2014, Belém, PA. Anais. Belém, PA: Embrapa Amazônia Oriental, 2014.
Idioma: pt_BR
Palavras-chave: PVP.
Conteúdo: O paricá (Schizolobium amazonicum Huber ex Ducke), planta nativa das florestas tropicais, pertencente à família das Caesalpinaceae, é uma espécie de grande potencial devido à sua larga utilização, como para a produção de lâminas para fabricação de compensados. Para a produção de plantas em larga escala tem-se utilizado técnicas de cultura de tecidos para a multiplicação rápida de plantas com qualidade superior. O presente trabalho teve como objetivo testar o efeito de diferentes concentrações de Polivinilpirrolidona (PVP) para o controle da oxidação em meio MS normal acrescido de 2,0 mg.L-1 de benzilaminopurina (BAP) sobre o cultivo in vitro de explantes de paricá. Ápices caulinares foram inoculados em frascos contendo meio MS com diferentes concentrações de PVP 0,0% (T1), 0,1% (T2), 0,2% (T3), 0,3% (T4) e BAP a 2,0 mg.L-1. O delineamento experimental foi inteiramente casualizado, com 4 tratamentos e 5 repetições. O experimento foi estabelecido em sala de cultivo, sob fotoperíodo de 16 h luz.dia -1, com intensidade de luz de 30 μmol. s-1.cm-2 e temperatura de 25 ± 3º C. Foram avaliados número de brotos por explante, desenvolvimentos de calos e o nível de oxidação. Resultados demonstraram que PVP a 0,2% e 0,3% controlaram a oxidação em 100% dos explantes, enquanto a 0,1% ocorreu taxa de oxidação de 20% e a 0,0% todos os explantes apresentaram oxidação. Ocorreu a indução de brotos que variou de 1,2 a 1,8 por explante, sendo maior à concentração de 0,2% de PVP no meio de cultura com BAP a 2,0mg.L-1. O uso de PVP controla a oxidação e a concentração a partir de 0,2% é a mais adequada para o desenvolvimento in vitro de brotos de paricá.
Thesagro: Micropropagação
Paricá.
Oxidação
Ano de Publicação: 2014
Aparece nas coleções:Artigo em anais de congresso (CPATU)

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
Pibic2.pdf166,32 kBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir

FacebookTwitterDeliciousLinkedInGoogle BookmarksMySpace