Please use this identifier to cite or link to this item: http://www.alice.cnptia.embrapa.br/alice/handle/doc/1017588
Full metadata record
DC FieldValueLanguage
dc.contributor.authorVENDRUSCOLO, R. B.pt_BR
dc.contributor.authorSANTIN, D.pt_BR
dc.contributor.authorGATIBONI, L. C.pt_BR
dc.contributor.authorBENEDETTI, E. L.pt_BR
dc.contributor.authorKASEKER, J. F.pt_BR
dc.contributor.authorWENDLING, I.pt_BR
dc.contributor.otherRodrigo Balem Vendruscolo, Mestrando da Universidade do Estado de Santa Catarina; Delmar Santin, Dr. em ciência do solo, autônomo; Luciano Colpo Gatiboni, Universidade do Estado de Santa Catarina; Eliziane Luiza Benedetti, Instituto Federal de Santa Catarina; Jéssica Fernandes Kaseker, Doutoranda da Universidade do Estado de Santa Catarina; IVAR WENDLING, CNPF.pt_BR
dc.date.accessioned2015-06-12T11:11:11Zpt_BR
dc.date.available2015-06-12T11:11:11Zpt_BR
dc.date.created2015-06-12pt_BR
dc.date.issued2014pt_BR
dc.identifier.other53827pt_BR
dc.identifier.urihttp://www.alice.cnptia.embrapa.br/alice/handle/doc/1017588pt_BR
dc.descriptionAté o momento, poucos foram os avanços na área de nutrição na cultura da erva-mate, o que justifica que o atual sistema de produção seja baseado no extrativismo. O trabalho objetivou avaliar a sobrevivência de clones de erva-mate submetidos a doses de N, P, K, S e micronutrientes (B, Cu e Zn). Nos cinco experimentos, instalados em setembro de 2013 em Três Barras-SC, avaliaram-se quatro clones (F1, F2, F3 e M1) e doses de: 0, 125, 250, 375 e 500 mg dm-3 de N; 0, 75, 150, 225 e 300 mg dm-3 de P2O5; 0, 40, 80, 120 e 160 mg dm-3 de K2O; 0, 20, 40, e 60 mg dm-3 de S; e um Mix de micronutrientes de 0, 0,5 e 1,0 mg dm-3 de B e Cu, e 0, 1,0 e 2,0 mg dm-3 de Zn. Utilizou-se o delineamento blocos casualizados com quatro repetições em esquema fatorial com parcelas subdivididas. As mudas foram propagadas por miniestaquia de matrizes selecionadas, plantadas a campo com altura média de 12 cm. A sobrevivência foi avaliada mensalmente até aos 120 dias. Após os dados submetidos à análise estatística, verificou-se que a época influenciou negativamente a sobrevivência de mudas de erva-mate. A ausência da significância do fator dose na sobrevivência das mudas, possivelmente esteja relacionada a boa fertilidade do solo local. Conclui-se que a adubação não atua na sobrevivência de mudas de erva-mate. Mudas de erva-mate dos clones F1 e F2 são as mais indicadas para plantio na região de Três Barras.pt_BR
dc.description.uribitstream/item/125308/1/2015-Ivar-RSBCS-Sobrevivencia.pdfpt_BR
dc.formatDisponível online.pt_BR
dc.languagept_BRpt_BR
dc.language.isoporpt_BR
dc.publisherIn: REUNIÃO SUL-BRASILEIRA DE CIÊNCIA DO SOLO, 10., 2014, Pelotas. Fatos e mitos em ciência do solo. [S.l.]: SBCS, Núcleo Regional Sul, 2014.pt_BR
dc.relation.ispartofEmbrapa Florestas - Artigo em anais de congresso (ALICE)pt_BR
dc.subjectErva matept_BR
dc.subjectMudas clonais.pt_BR
dc.titleSobrevivência de mudas clonais de erva-mate submetidas a adubação mineral.pt_BR
dc.typeArtigo em anais de congresso (ALICE)pt_BR
dc.date.updated2015-06-23T11:11:11Zpt_BR
dc.subject.thesagroIlex Paraguariensispt_BR
dc.subject.thesagroNutrição.pt_BR
dc.format.extent23 p.pt_BR
dc.ainfo.id1017588pt_BR
dc.ainfo.lastupdate2015-06-23pt_BR
Appears in Collections:Artigo em anais de congresso (CNPF)

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
2015IvarRSBCSSobrevivencia.pdf180.84 kBAdobe PDFThumbnail
View/Open

FacebookTwitterDeliciousLinkedInGoogle BookmarksMySpace