Please use this identifier to cite or link to this item: http://www.alice.cnptia.embrapa.br/alice/handle/doc/1091609
Full metadata record
DC FieldValueLanguage
dc.contributor.authorQUADRO, M. S.
dc.contributor.authorANDREAZZA, R.
dc.contributor.authorTEDESCO, M. J.
dc.contributor.authorGIANELO, C.
dc.contributor.authorBARCELOS, A. A.
dc.contributor.authorBORTOLON, L.
dc.contributor.otherMAURIZIO SILVERA QUADRO, UFPel; ROBSON ANDREAZZA, UFPel; MARINO JOSÉ TEDESCO, UFRGS; CLESIO GIANELO, UFRGS; AMAURI ANTUNES BARCELOS, UFPel; LEANDRO BORTOLON, CNPASA.
dc.date.accessioned2018-05-18T00:45:01Z-
dc.date.available2018-05-18T00:45:01Z-
dc.date.created2018-05-17
dc.date.issued2018
dc.identifier.issn1413-4152
dc.identifier.other678
dc.identifier.urihttp://www.alice.cnptia.embrapa.br/alice/handle/doc/1091609-
dc.descriptionO descarte de resíduos de lodo de curtume no solo tem sido um problema ambiental devido aos altos teores de cromo. O objetivo deste trabalho foi avaliar a dinâmica dos óxidos de ferro e os teores de cromo ligados a esses minerais em áreas de descarte de resíduos de curtume. Para isso, foram determinados os teores de ferro e cromo extraídos por oxalato de amônio dos óxidos de baixa cristalinidade e por ditionito-citrato-bicarbonato (DCB) dos óxidos cristalinos na fração argila do solo. Esses teores variaram entre 3,5 e 4,1 mg kg-1 nos tratamentos sem aplicação de lodo de curtume e entre 19,9 e 56,8 mg kg-1 nos com adição de lodo. Os teores de cromo extraídos dos óxidos cristalinos variaram entre 21,3 e 23,3 mg kg-1 nos tratamentos sem aplicação de lodo e entre 46,4 e 103,0 mg kg-1 nos com uso de lodo de curtume. A aplicação desse material proporcionou um aumento na relação do ferro extraído do óxido de ferro e o ferro extraído com o ditionito (Feo/Fed) dos óxidos da área de descarte, o que evidencia uma diminuição da cristalinidade dos óxidos. Foi encontrada uma redução na relação do ferro extraído com o ditionito e do cromo extraído com o ditionito (Fed/Crd), o que mostra a substituição do ferro pelo cromo nos óxidos, evidenciando uma troca isomórfica. Essa alteração pode ser uma alternativa para a retenção de cromo pelo solo com grande força.
dc.description.uribitstream/item/177101/1/CNPASA-2018-esa.pdfpt_BR
dc.languagept_BR
dc.language.isoporpt_BR
dc.publisherEngenharia Sanitaria e Ambiental, n. 23, n. 1, p. 63-67, jan./fev. 2018.
dc.relation.ispartofEmbrapa Pesca e Aquicultura - Artigo em periódico indexado (ALICE)
dc.titleTeores de cromo ligados aos óxidos de ferro em áreas de descarte de lodo de curtume.
dc.typeArtigo em periódico indexado (ALICE)
dc.date.updated2018-05-18T00:45:01Zpt_BR
dc.subject.thesagroMetal Pesado
dc.subject.thesagroDescarte
dc.subject.thesagroEliminação de Resíduo
dc.subject.thesagroCromo
dc.subject.thesagroOxido de Ferro
dc.subject.thesagroLodo Residual
dc.subject.thesagroCurtume
dc.subject.nalthesaurusHeavy metals
dc.subject.nalthesaurusClay minerals
dc.subject.nalthesaurusWaste disposal
dc.ainfo.id1091609
dc.ainfo.lastupdate2018-05-17
dc.identifier.doi10.1590/S1413-41522018159157
Appears in Collections:Artigo em periódico indexado (CNPASA)

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
CNPASA2018esa.pdf140.78 kBAdobe PDFThumbnail
View/Open

FacebookTwitterDeliciousLinkedInGoogle BookmarksMySpace