Please use this identifier to cite or link to this item: http://www.alice.cnptia.embrapa.br/alice/handle/doc/1092956
Full metadata record
DC FieldValueLanguage
dc.contributor.authorQUEIROZ, D. L. de
dc.contributor.authorCAMARGO, J. M. M.
dc.contributor.authorDEDECEK, R. A.
dc.contributor.authorOLIVEIRA, E. B. de
dc.contributor.authorZANOL, K. M. R.
dc.contributor.authorMELIDO, R. C. n.
dc.date.accessioned2018-07-03T01:23:16Z-
dc.date.available2018-07-03T01:23:16Z-
dc.date.created2018-07-02
dc.date.issued2018
dc.identifier.citationCiência Florestal, Santa Maria, v. 28, n. 1, p. 632-640, abr./jun. 2018.
dc.identifier.urihttp://www.alice.cnptia.embrapa.br/alice/handle/doc/1092956-
dc.descriptionA busca pela alta produtividade e qualidade de plantas de eucalipto que sejam mais resistentes ao ataque de insetos-praga vem sendo cada vez mais estudada. Dentro deste contexto, realizou-se o estudo da absorção e a translocação de silício em plantas de Eucalyptus camaldulensis. O experimento foi realizado com o clone 58, em viveiro comercial da empresa Votorantim Siderurgia /Vazante ? MG, onde foi avaliada a aplicação de silício via solo (silicato de cálcio) e via foliar (silicato de potássio), com três doses diferentes. O delineamento experimental foi inteiramente casualizado, com oito tratamentos, 20 repetições, totalizando 160 plantas. A avaliação do experimento foi realizada com base na análise do teor de silício presente no substrato (%) e na matéria seca das raízes e parte aérea das plantas (mg planta-1). Foram realizadas três avaliações aos 30, 60 e 90 dias após aplicação das doses de silício em folhas e raízes. Para o substrato foram realizadas quatro avaliações, sendo a primeira no dia da instalação do experimento (antes da aplicação de Si) e as demais aos 30, 60 e 90 dias após semeadura do eucalipto. Nas análises foliares realizadas, os maiores valores em relação ao teor de silício foram observados para o tratamento com aplicação de silicato de potássio (10mL/ planta), T8, que foi em média 3 vezes maior, quando comparado aos tratamentos sem aplicação de silício (adubação padrão+110 gramas de CaO) ? T1 e sem aplicação de silício (adubação padrão+1,71gramas de KCl) ? T2. Os tratamentos não diferiram estatisticamente entre si nas avaliações realizadas, em relação à percentagem de silício presente nas raízes de Eucalyptus camaldulensis. No substrato verificou-se um aumento significativo no teor do mineral aos 30, 60 e 90 dias, em função das doses crescentes de silicato, nas duas formas de aplicação, destacando o T8. Assim, foi possível concluir que Eucalyptus camaldulensis é capaz de absorver e translocar o mineral.
dc.languagept_BR
dc.language.isoporpt_BR
dc.rightsopenAccesspt_BR
dc.subjectEucalypt
dc.titleAbsorção e translocação de silício em mudas de Eucalyptus camaldulensis.
dc.typeArtigo de periódico
dc.date.updated2018-07-03T01:23:16Zpt_BR
dc.subject.thesagroEucalyptus Camaldulensis
dc.subject.thesagroEucalipto
dc.subject.thesagroPraga de Planta
dc.subject.thesagroManejo
dc.subject.thesagroSilvicultura
dc.subject.nalthesaurusPest management
dc.subject.nalthesaurusForestry
dc.identifier.doi10.5902/1980509832053
dc.contributor.institutionDALVA LUIZ DE QUEIROZ, CNPF; Joelma Melissa Malherbe Camargo, Doutoranda da UFPR; Renato Antonio Dedecek, Pesquisador aposentado da UFPR; EDILSON BATISTA DE OLIVEIRA, CNPF; Keti Maria Rocha Zanol, UFPR; Raul Cesar Nogueira Melido, Votorantim Siderurgia.
Appears in Collections:Artigo em periódico indexado (CNPF)

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
2018DalvaCFAbsorcao.pdf526,83 kBAdobe PDFThumbnail
View/Open

FacebookTwitterDeliciousLinkedInGoogle BookmarksMySpace