Please use this identifier to cite or link to this item: http://www.alice.cnptia.embrapa.br/alice/handle/doc/1102204
Research center of Embrapa/Collection: Embrapa Agroindústria Tropical - Tese/dissertação (ALICE)
Date Issued: 2014
Type of Material: Tese/dissertação (ALICE)
Authors: SANTOS, E. O.
Additional Information: EDER DE OLIVEIRA SANTOS, Universidade Federal do Ceará - UFC.
Title: Adubações orgânicas e mineral em mudas micropropagadas de banananeira cv prata catarina durante a aclimatização.
Publisher: 2014
Pages: 82 p.
Language: pt_BR
Notes: Dissertação (Mestrado em Solos e Nutrição de Plantas) - Universidade Federal do Ceará, Fortaleza. Orientador: Thales Vinícius de Araújo Viana. Co-orientadora: Ana Cristina Portugal Pinto de Carvalho.
Keywords: Nutrição mineral
Musa spp
Insumo orgânico
Description: A banana é uma das frutas mais produzida e consumida no mundo. A cultivar ?SCS451 Catarina? também chamada de Prata Catarina apresenta diversas vantagens com relação à cultivar Prata . A micropropagação é uma técnica que permite a produção de mudas com alta qualidade fitossanitária em curto período de tempo. A utilização de produtos orgânicos como fonte de adubação tem gerado bons resultados no desenvolvimento das plantas. Com base nesse contexto, o objetivo do trabalho foi avaliar o crescimento vegetativo, os teores e a extração de elementos minerais em mudas micropropagadas de bananeira cv. Prata Catarina, durante a fase de aclimatização em função da aplicação de diferentes doses de biofertilizantes e de adubação mineral. O experimento foi constituído de duas etapas, a de micropropagação, foi efetuada no laboratório de Cultura de Tecidos Vegetais na Embrapa Agroindústria Tropical, e a de aclimatização, na estação Agrometereológica da UFC. O delineamento experimental foi em blocos casualizados no arranjo fatorial 2 × 5 + (2), referentes a 2 tipos de biofertilizantes líquidos (B1 = biofertilizante a base de esterco bovino com fermentação aeróbica e B2 = biofertilizante a base de esterco bovino com fermentação anaeróbica), 5 doses (25, 50, 75, 100 e 125%) de ambos biofertilizantes e dois tratamentos adicionais (controle, sem fertilização e adubação química). As variáveis altura das mudas, diâmetro do pseudocaule, área foliar e massa seca das folhas apresentaram efeitos significativos para doses e os tipos de adubação mineral e controle. A massa seca do pseudocaule e o teor de clorofila foram significativos apenas para os tipos de biofertilizantes e a massa seca das raízes apenas para as doses de biofertilizantes. Na dose de 100% dos biofertilizantes houve um maior desenvolvimento vegetativo das mudas micropropagadas de bananeira Prata Catarina e acima desse limite ótimo, redução do crescimento. Com relação ao teor dos elementos minerais nas folhas, no pseudocaule e nas raízes, verificou-se que para o tipo de biofertilizante utilizado apenas os teores de fósforo no pseudocaule e de potássio no pseudocaule e na raiz não foram significativos. Para as dosagens, apenas as concentrações de potássio nas folhas não foi significativo. A interação foi significativa para os teores de nitrogênio nas folhas e no pseudocaule para o fósforo nas raízes e para o sódio apenas no pseudocaule. Com o aumento das doses houve um aumento no teor dos nutrientes estudados exceto para o sódio. O biofertilizante bovino com fermentação anaeróbia supre as necessidades nutricionais das mudas micropropagadas de bananeira cv Prata Catarina até os 90 dias na fase de aclimatização, devido ao teor de nutrientes que se sobrepõe aos encontrados no biofertilizante aeróbio. A adubação com 100% do biofertilizante anaeróbio promove um maior desenvolvimento vegetativo para grande parte das variáveis estudadas equiparando-se a adubação de referência. Os biofertilizantes promoveram um maior acúmulo dos nutrientes nas folhas, pseudocaule e raízes, contudo houve uma resposta diferente quanto ao percentual e fermentação para cada parte.
Data Created: 2018-12-20
Appears in Collections:Tese/dissertação (CNPAT)

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
DissertacaoEder.pdf1,37 MBAdobe PDFView/Open

FacebookTwitterDeliciousLinkedInGoogle BookmarksMySpace