Please use this identifier to cite or link to this item: http://www.alice.cnptia.embrapa.br/alice/handle/doc/1122475
Full metadata record
DC FieldValueLanguage
dc.contributor.authorSILVA, F. S. G.
dc.contributor.authorMACHADO, G.
dc.contributor.authorSILVA, F. C. da
dc.contributor.authorMARCHIORI, L. F. S.
dc.contributor.authorCASTRO, A. de
dc.contributor.authorSILVA, V. F. da
dc.contributor.otherFABIO SOUSA GUEDES SILVA, FATEC PIRACICABA; GILCENI MACHADO, FATEC PIRACICABA; FABIO CESAR DA SILVA, CNPTIA, FATEC PIRACICABA; LUIS FERNANDO SANGLADE MARCHIORI, FATEC PIRACICABA; ALEXANDRE DE CASTRO, CNPTIA; VANESSA FERNANDA DA SILVA, FATEC PIRACICABA.
dc.date.accessioned2020-05-22T04:41:53Z-
dc.date.available2020-05-22T04:41:53Z-
dc.date.created2020-05-21
dc.date.issued2020
dc.identifier.other20462
dc.identifier.urihttp://www.alice.cnptia.embrapa.br/alice/handle/doc/1122475-
dc.descriptionRESUMO. É recente a utilização de cana energia nas usinas, sendo poucas as que estão aderindo a essa tecnologia pela necessidade de entendimento das mudanças nos sistemas de produção e de seus coeficientes técnicos. Esse artigo objetivou estudar as variedades de cana energia Vignis 3 (tipo 1) e Vignis 1126 (tipo 2), fornecidas pela empresa Vignis, e comparadas com a variedade açucareira (convencional) RB 867515. Implantou-se experimento de campo em solo de baixa fertilidade com 18 parcelas de 5 ruas de 10 metros, em três locais, cada local representando em duplicata, para comparação em termos biométrico, composicional e energético. A cana energia tipo I apresentou teor médio de fibra de 15,1%, a tipo II 18,8%, enquanto a convencional 14,2%; em termos de ATR, as canas energias atingiram 80% e 67% da cana convencional, respectivamente. Na avaliação energética da unidade de fibra seca de cada material, uma das variedades de cana energia demonstrou grande potencial para combustão, sendo 17 e 8% superior à cana convencional, respectivamente em poder calorífico. A cana energia é uma opção agrícola que possui um perfil apropriado para suprir a necessidade do mercado energético, especialmente por permitir o cultivo em solos de baixa fertilidade e alta resiliência ambiental.
dc.description.uribitstream/item/213154/1/Avaliacao-experimental-Jornacitec-2019.pdf
dc.languagePortugues
dc.language.isopt_BR
dc.publisherIn: JORNADA CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA DA FATEC DE BOTUCATU, 8., 2019, Botucatu. Anais... Botucatu: Fatec, [2020].
dc.relation.ispartofEmbrapa Informática Agropecuária - Artigo em anais de congresso (ALICE)
dc.subjectPoder calorífico
dc.subjectTeor de fibras
dc.subjectAçúcares totais recuperáveis
dc.titleAvaliação experimental e panorama da cana energia na cadeia produtiva sucroenergética: caracterização e identificação de potencialidades.
dc.typeArtigo em anais de congresso (ALICE)
dc.subject.thesagroCana de Açúcar
dc.subject.nalthesaurusSugarcane
dc.description.notesJORNACITEC 2019.
dc.format.extent2p. 1-8.
dc.ainfo.id1122475
dc.ainfo.lastupdate2020-07-08 -03:00:00
Appears in Collections:Artigo em anais de congresso (CNPTIA)

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Avaliacao-experimental-Jornacitec-2019.pdf271,95 kBAdobe PDFThumbnail
View/Open

FacebookTwitterDeliciousLinkedInGoogle BookmarksMySpace