Please use this identifier to cite or link to this item: http://www.alice.cnptia.embrapa.br/alice/handle/doc/1123737
Research center of Embrapa/Collection: Embrapa Agroenergia - Resumo em anais de congresso (ALICE)
Date Issued: 2019
Type of Material: Resumo em anais de congresso (ALICE)
Authors: BAUMI, J.
BERTOSSE, C. M.
SOARES, I. P.
GUEDES, C. L. B.
Additional Information: J. Baumi, Universidade Estadual de Londrina; C. M. Bertosse, Universidade Estadual de Londrina; ITANIA PINHEIRO SOARES, CNPAE; Guedes, C. L. B., Universidade Estadual de Londrina.
Title: Aproveitamento de coproduto da indústria sucroalcooleira na preparação de bioaditivos para combustíveis de aviação.
Publisher: In: CONGRESSO DA REDE BRASILEIRA DE BIOQUEROSENE E HIDROCARBONETOS RENOVÁVEIS PARA AVIAÇÃO, 1., 2019, Natal. [Anais...]. [S.l: s.n.], 2019. Não paginado. n. 02-002.
Language: Portugues
Keywords: Bioaditivos
Indústria sucroalcooleira
Combustível de aviação
Óleo fúsel
Description: Este trabalho teve como objetivo obter álcoois derivados do óleo fúsel, coproduto da indústria sucroalcooleira, visando à preparação de bioaditivos com potencial de serem utilizados em mistura com o querosene (QAV-1) e a gasolina de aviação (GAV 100LL). O óleo fúsel fornecido pelas indústrias USIBAN de Bandeirantes, PR e a USAÇÚCAR de Maringá, PR passaram por destilação fracionada onde foram detectados dois componentes majoritários: álcool isoamílico (76,3% e 91,6%) e álcool isobutílico (13,7% e 5,4%) com teores de água de aproximadamente 8,2 e 12,9%, respectivamente. A partir destes álcoois superiores ao etanol considerando-se a quantidade de átomos na cadeia foram preparados os bioaditivos: O bioaditivo A (2-isopropil-5-metil-2-hexen-1-ol); o bioaditivo B (Éter isoamílico), bioadivido C (Isovalerato de metila) e bioaditivo D (Isobutirato de metila) com rendimento de 60%, 85%, 96% e 95%, respectivamente. Em todas as rotas de síntese foram testados solventes e reagentes que pudessem atender aos princípios da química verde. Os Bioaditivos A e B, álcool e éter, foram misturados a 3,5 e 10% no querosene, e os Bioaditivos C e D, ésteres, a 5% e 10% na gasolina de aviação. De acordo com os resultados dos ensaios estabelecidos pela resolução ANP n°37 de 2015, as misturas do querosene com os bioaditivos A e B apresentaram características semelhantes ao querosene comercial QAV-1. As misturas apresentaram massa específica (< 0,8 g cm-3); ponto de fulgor (>40°C); ponto de congelamento (<-58°C), poder calorífico (> 42 MJ kg-1), viscosidade cinemática (< 2cS) e corrosividade ao cobre (1a). Houve uma melhora na fluidez do querosene a baixas temperaturas em decorrência da adição do bioaditivos B, além de baixar o risco de corrosão do combustível ao cobre. As misturas da gasolina de aviação com os bioaditivos C e D seguiram a mesma tendência da gasolina comercial (GAV 100LL) quando submetidas aos ensaios especificados pela resolução ANP n°5 de 2015, como exemplo, o ponto de congelamento (< -58°C), poder calorífico (>43,5 MJ kg-1), massa específica (< 0,8 g cm-3), corrosividade ao cobre (1a) e curva de destilação. Os valores calculados através da curva de destilação indicaram que os bioaditivos C e D favorecem a fração mais leve e volátil do combustível, o que melhora o desempenho do motor durante a fase de aquecimento, favorecendo a diminuição das emissões gasosas e de materiais particulados no ar atmosférico.
Thesagro: Álcool
Biocombustível
NAL Thesaurus: Alcohol fuels
Aviation
Bioenergy industry
Sugar industry
Data Created: 2020-07-08
Appears in Collections:Resumo em anais de congresso (CNPAE)

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Aproveitamento-de-coproduto-da-indu769stria-sucroalcooleira-2019.pdf83,97 kBAdobe PDFThumbnail
View/Open

FacebookTwitterDeliciousLinkedInGoogle BookmarksMySpace