Please use this identifier to cite or link to this item: http://www.alice.cnptia.embrapa.br/alice/handle/doc/1132098
Full metadata record
DC FieldValueLanguage
dc.contributor.authorGABIRA, M. M.
dc.contributor.authorSTUEPP, C. A.
dc.contributor.authorWENDLING, I.
dc.date.accessioned2021-05-31T02:13:45Z-
dc.date.available2021-05-31T02:13:45Z-
dc.date.created2021-05-30
dc.date.issued2021
dc.identifier.citationIn: EVENTOS ARAUCÁRIA: PESQUISA, INOVAÇÃO E TECNOLOGIAS PARA SISTEMAS DE PRODUÇÃO, ERVA-MATE XXI: INOVAÇÃO E TECNOLOGIAS PARA O SETOR ERVATEIRO, 2020, Colombo. Anais. Colombo: Embrapa Florestas, 2021.
dc.identifier.urihttp://www.alice.cnptia.embrapa.br/alice/handle/doc/1132098-
dc.descriptionA enxertia de araucária possibilita a produção precoce de pinhões e é uma alternativa para o estabelecimento de pomares da espécie. Entretanto, são necessários estudos aprofundados acerca dos fatores que influenciam no sucesso dessa técnica. O objetivo deste trabalho foi avaliar a influência do sexo e da procedência das matrizes de araucária na sobrevivência e crescimento vegetativo dos enxertos. O experimento foi realizado no município de Ivaí, PR, com porta-enxertos de origem seminal. Os porta-enxertos foram produzidos em recipientes de 3.780 cm³, estando com 18 meses na época da enxertia. Os enxertos foram retirados de matrizes selecionadas em jardim clonal de campo localizado em Colombo, PR, com diferentes sexos e procedências (São Paulo, Minas Gerais, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul). A enxertia foi realizada utilizando a técnica de borbulhia de placa e as plantas foram mantidas em ambiente sombreado com tela de polietileno. A sobrevivência foi avaliada aos 60, 90, 120, 150 e 180 dias após a enxertia. Aos 120, 150 e 180 dias, foram avaliados a porcentagem de enxertos brotados, número de brotações/enxerto e comprimento médio de brotações. Houve diferença significativa (p < 0,05) entre as matrizes para as variáveis, com a sobrevivência aos 180 dias variando entre 96% para as matrizes F36 (PR) e F29 (SP) e 46% para as matrizes F6 (PR) e F15 (MG). Houve diferenças significativas na sobrevivência e desenvolvimento vegetativo inicial dos enxertos entre as matrizes neste experimento sem, no entanto, haver relação com o sexo ou região de procedência da matriz.
dc.language.isopor
dc.relation.ispartofseries(Embrapa Florestas. Documentos, 344).pt_BR
dc.rightsopenAccesspt_BR
dc.subjectEnxertia
dc.subjectSilvicultura clonal
dc.titleSobrevivência e desenvolvimento vegetativo inicial de enxertos de matrizes selecionadas de araucária.
dc.typeResumo em anais e proceedings
dc.subject.thesagroAraucária
dc.subject.thesagroPinhão
dc.subject.thesagroMadeira
dc.description.notesResumo.
dc.format.extent2p. 17.
riaa.ainfo.id1132098
riaa.ainfo.lastupdate2021-05-30
dc.contributor.institutionMÔNICA MORENO GABIRA, UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ; CARLOS ANDRÉ STUEPP, UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA; IVAR WENDLING, CNPF.
Appears in Collections:Resumo em anais de congresso (CNPF)

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
EmbrapaFlorestas-2021-AnaisErvamateEAraucaria-Documentos344-pg19.pdf183,69 kBAdobe PDFThumbnail
View/Open

FacebookTwitterDeliciousLinkedInGoogle BookmarksMySpace