Please use this identifier to cite or link to this item: http://www.alice.cnptia.embrapa.br/alice/handle/doc/470478
Research center of Embrapa/Collection: Embrapa Soja - Artigo em periódico indexado (ALICE)
Date Issued: 2006
Type of Material: Artigo em periódico indexado (ALICE)
Authors: OLIVEIRA, F. A. de
CASTRO, C. de
MOREIRA, A.
SILVA, L. S. da
Additional Information: FÁBIO ALVARES DE OLIVEIRA, CNPSO; CÉSAR DE CASTRO, CNPSO; ADÔNIS MOREIRA, CNPSO; LUCAS SÔNEGO DA SILVA, UEL.
Title: Efeito residual da adubação com rochas brasileiras como fontes de potássio para a cultura da soja.
Publisher: Espaço & Geografia, Brasília, DF, v. 9, n. 2, p. 247-262, 2006.
Language: pt_BR
Keywords: Pó de rocha
Rochagem
Fertilizante alternativo.
Description: RESUMO: O trabalho foi desenvolvido em vasos, em casa-de-vegetação, para avaliar o efeito residual da adubação potássica com rochas moídas sobre o desenvolvimento vegetativo e o acúmulo de potássio (K) por plantas de soja em Latossolo Vermelho distroférrico (LVdf) e Neossolo Quartzarênico (NQ), anteriormente cultivados com girassol. As rochas fontes de potássio, arenito vulcânico, brecha alcalina, carbonatito, biotita xisto e ultramáfica alcalina, além da fonte padrão de K, cloreto de potássio, foram aplicadas nas quantidades de 0, 150 e 300 mg kg-1 de K2O por ocasião da semeadura do girassol. Avaliou-se a produção de matéria seca da parte aérea das plantas colhidas no florescimento pleno, além das concentrações e o acúmulo de K nos tecidos. Também avaliou-se, ao final do cultivo, o K disponível no solo pelo extrator Mehlich-1. Tanto a produção quanto o acúmulo de K foram influenciados pelas fontes de potássio utilizadas. As rochas ultramáfica alcalina e biotita xisto apresentaram as maiores eficiências agronômicas residuais para a produção de matéria seca e como fonte de liberação lenta de K. O carbonatito apresentou viabilidade de utilização como fonte de K, porém com solubilidade mais lenta que a ultramáfica alcalina e a biotita xisto. O arenito vulcânico não apresentou viabilidade agronômica como fonte de K. O extrator Mehlich-1 não se mostrou adequado para avaliar a disponibilidade de K em solos adubados com a brecha alcalina. ABSTRACT: A pot experiment was carried out in greenhouse conditions, to evaluate long-term effects of Brazilian rocks as alternative potassium source to soybean BRS 232 in a Rhodic Hapludox and an Ustoxic Quartzipsamment, previously cultivated with sunflower. Treatments were displayed in a factorial scheme (soils x sources x rates), in a completely randomized blocks design with four replications. The rocks volcanic sandstone, alkaline breccia, carbonatite, biotite schist, alkaline ultramaphic, and potassium chloride, as the standard fertilizer source, were applied in rates of 0, 150 e 300 mg kg-1 of K2O, previously the first crop sowing. At the full bloom stage, yield of shoot dry matter, concentration and accumulation of potassium in plant tissues, besides levels of available K (Mehlich-1) in soil were evaluated. Both yield and potassium accumulation were affected by potassium sources. Alkaline ultramaphic and biotite schist rocks got the highest long-term efficiencies as slow release potassium source and to dry matter yield of soybean. Carbonatite presented slower solubility than the better sources; however it can be used as slow release potassium source. Volcanic sandstone was not a viable potassium source. Mehlich-1 extractor was not suitable to measure available K in soils fertilized with alkaline breccia.
Thesagro: Fertilizante Potássico
Glycine Max.
Data Created: 2008-02-19
ISSN: 1516-9375
Appears in Collections:Artigo em periódico indexado (CNPSO)

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Efeitoresidualdaadubacaocomrochasbrasileirascomofontesdepotassioparaaculturadasoja.pdf350,48 kBAdobe PDFThumbnail
View/Open

FacebookTwitterDeliciousLinkedInGoogle BookmarksMySpace