Please use this identifier to cite or link to this item: http://www.alice.cnptia.embrapa.br/alice/handle/doc/471824
Full metadata record
DC FieldValueLanguage
dc.contributor.authorCERVELATTI, E. P.pt_BR
dc.contributor.authorPAIVA, E.pt_BR
dc.contributor.authorMEIRELLES, W. F.pt_BR
dc.contributor.authorCASELA, C. R.pt_BR
dc.contributor.authorFERNANDES, F. T.pt_BR
dc.contributor.authorTEIXEIRA, F. F.pt_BR
dc.contributor.authorPACCOLA-MEIRELLES, L.D.pt_BR
dc.contributor.otherEmbrapa Milho e Sorgo; WALTER FERNANDES MEIRELLES, CNPMS; FLAVIA FRANCA TEIXEIRA, CNPMS.pt_BR
dc.date.accessioned2011-04-10T11:11:11Zpt_BR
dc.date.available2011-04-10T11:11:11Zpt_BR
dc.date.created2003-02-28pt_BR
dc.date.issued2002pt_BR
dc.identifier.other15168pt_BR
dc.identifier.urihttp://www.alice.cnptia.embrapa.br/alice/handle/doc/471824pt_BR
dc.descriptionA doença foliar descrita no Brasil como sendo mancha por phaeosphaeria em milho pode reduzir a produção de grãos em até 60%, quando se utilizam cultivares suscetíveis. O agente causal da doença foi descrito a partir de observações visuais de estruturas reprodutivas sexuadas e assexuadas (pseudotécios e picnídios) encontradas no interior das lesões, e identificado como sendo o fungo Phaeosphaeria maydis, forma imperfeita Phyllosticta sp. No entanto, esse fungo é de difícil isolamento e sua inoculação em plantas de milho, sob condições controladas, não tem apresentado sucesso na reprodução dos sintomas. Isolados obtidos a partir de picnídios e pseudotécios presentes nas lesões foram comparados através do padrão isoenzimático (a e b esterases) e RAPD, visando determinar se esses dois estados são realmente pertencentes ao mesmo agente etiológico. Os resultados obtidos permitiram a separação dos isolados oriundos de picnídios daqueles oriundos de pseudotécios em grupos bem distintos, indicando que essas estruturas pertencem a espécies fúngicas distintas, e não ao estado anamórfico e teleomórfico do mesmo agente, como vem sendo atribuído. A partir da classificação baseada em caracteres morfológicos, o fungo isolado de picnídios foi identificado como Phoma tropica, um fungo oportunista colonizador de lesões preestabelecidas, e não Phyllosticta sp como descrito inicialmente.pt_BR
dc.description.uribitstream/item/30478/1/Characterization-fungal.pdfpt_BR
dc.languageenpt_BR
dc.language.isoengeng
dc.publisherRevista Brasileira de Milho e Sorgo, Sete Lagoas, v. 1, n. 3, p. 30-37, set./dez. 2002.pt_BR
dc.relation.ispartofEmbrapa Milho e Sorgo - Artigo em periódico indexado (ALICE)pt_BR
dc.titleCharacterization of fungal isolates from pycnidia and pseudothecia from lesions of phaeosphaeria leaf spot in maize.pt_BR
dc.typeArtigo em periódico indexado (ALICE)pt_BR
dc.date.updated2015-11-13T11:11:11Zpt_BR
dc.subject.thesagroDoença de plantapt_BR
dc.ainfo.id471824pt_BR
dc.ainfo.lastupdate2015-11-13pt_BR
Appears in Collections:Artigo em periódico indexado (CNPMS)

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Characterizationfungal.pdf421,26 kBAdobe PDFThumbnail
View/Open

FacebookTwitterDeliciousLinkedInGoogle BookmarksMySpace