Please use this identifier to cite or link to this item: http://www.alice.cnptia.embrapa.br/alice/handle/doc/478894
Full metadata record
DC FieldValueLanguage
dc.contributor.authorCARVALHO, G. S.pt_BR
dc.contributor.authorPINHO, R. G. vonpt_BR
dc.contributor.authorPEREIRA FILHO, I. A.pt_BR
dc.date.accessioned2011-04-10T11:11:11Zpt_BR
dc.date.available2011-04-10T11:11:11Zpt_BR
dc.date.created2003-02-28pt_BR
dc.date.issued2002pt_BR
dc.identifier.citationRevista Brasileira de Milho e Sorgo, Sete Lagoas, v. 1, n. 3, p. 47-58, set./dez. 2002.pt_BR
dc.identifier.urihttp://www.alice.cnptia.embrapa.br/alice/handle/doc/478894pt_BR
dc.descriptionMinimilho, também conhecido como "baby corn", é o nome dado à espiga jovem, em desenvolvimento, não fertilizada de uma planta de milho. Com o advento da indústria de conservas, o minimilho passou a ser consumido também na forma de conservas. Assim, houve um crescimento na área cultivada com milho para consumo nessa forma, à semelhança do acontecido com o milho verde. Diferentes tipos de cultivares de milho, como doce, pipoca e mesmo milho normal têm sido utilizados para a produção do minimilho. O cultivo desse tipo de milho é pouco expressivo no Brasil, sendo a produção e o processamento agroindustrial pouco tecnificados, se comparados com outros países, além de existir uma escassez de informações em relação ao manejo da cultura, bem como sobre o desempenho dos cultivares. Avaliou-se o desempenho de cultivares de milho em diferentes épocas de semeadura, associado ao efeito do despendoamento das plantas na produção de minimilho. Os experimentos foram instalados em área experimental da Embrapa Milho e Sorgo, em Sete Lagoas, MG, sendo um experimento no ano de 1999 (semeadura em 23/12), dois no ano de 2000 (semeaduras em 20/01 e 12/10) e um em 2001 (semeadura em 02/02). Para cada experimento, o delineamento experimental empregado foi em blocos casualizados, em esquema fatorial 8 (cultivares) x 2 (com e sem despendoamento), com três repetições. Realizaram-se três colheitas, em intervalos de três dias, sendo a primeira três dias após a emissão dos estilos-estigmas. Foram avaliados o peso de espigas empalhadas, o peso de espigas comerciais e o rendimento de espigas comerciais. Entre as cultivares avaliadas, a DKB 929 se destaca, apresentando o melhor desempenho para peso de espigas empalhadas e peso de espigas comerciais, independente da época de semeadura. O despendoamento proporciona aumento na produtividade de espigas comerciais, independente da época de semeadura. Há necessidade de avaliação das cultivares em diferentes épocas, antes da sua recomendação para a produção de minimilho. Para a produção de espigas empalhadas, o aumento na produção devido ao despendoamento depende da época de semeadura.pt_BR
dc.languagept_BRpt_BR
dc.language.isoporpt_BR
dc.rightsopenAccesspt_BR
dc.titleEfeito do tipo de cultivar, despendoamento das plantas e da época de semeadura na produção de minimilho.pt_BR
dc.typeArtigo de periódicopt_BR
dc.date.updated2015-11-13T11:11:11Zpt_BR
dc.subject.thesagroZea mayspt_BR
dc.contributor.institutionEmbrapa Milho e Sorgo; ISRAEL ALEXANDRE PEREIRA FILHO, CNPMS.pt_BR
Appears in Collections:Artigo em periódico indexado (CNPMS)

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Efeitotipo.pdf177,62 kBAdobe PDFThumbnail
View/Open

FacebookTwitterDeliciousLinkedInGoogle BookmarksMySpace