Please use this identifier to cite or link to this item: http://www.alice.cnptia.embrapa.br/alice/handle/doc/660389
Research center of Embrapa/Collection: Embrapa Amazônia Oriental - Artigo em anais de congresso (ALICE)
Date Issued: 2009
Type of Material: Artigo em anais de congresso (ALICE)
Authors: NORONHA, A. C. da S.
SILVA, T. de A.
TAVARES, G. dos S.
KRAMER, V. R.
MATOS, A. P. de
Additional Information: ALOYSEIA CRISTINA DA SILVA NORONHA, CPATU; Alexandre Távora de Albuquerque Silva, ADEPARÁ; Geraldo dos SantosTavares, SAGRI; Vitor Rodrigo Kramer, ADEPARÁ; Aristóteles Pires de Matos, CNPMF.
Title: A broca do fruto do abacaxi Strymon megarus no Estado do Pará.
Publisher: In: SEMINÁRIO BRASILEIRO DE PRODUÇÃO INTEGRADA DE FRUTAS, 11.; SEMINÁRIO SOBRE SISTEMA AGROPECUÁRIO DE PRODUÇÃO INTEGRADA, 3., 2009, Petrolina. PI Brasil: [anais...]. Petrolina: Embrapa Semi-Árido, 2009.
Language: pt_BR
Notes: Fitossanidade 1.
Keywords: Produção integrada de abacaxi
Doença de planta.
Description: A broca-do-fruto Strymon megarus (Godart, 1824) (Lepidoptera, Lycaenidae) é considerada uma das principais pragas da abacaxicultura, podendo causar prejuízos de até 80% quando não controlada (SANCHES, 2005). Os sintomas do ataque da praga são evidentes com a exsudação de resina incolor e fluída nos frutos e eventualmente pode atacar as coroas dos frutos, gemas e mudas na base das inflorescências e raramente minando folhas de abacaxi (MATOS et al.,2007). No município de Floresta do Araguaia, no Sudeste Paraense, S. megarus se constitui em um dos principais problemas fitossanitários do abacaxizeiro Ananas comosus var.comosus L. Merril. juntamente com a podridão-do-olho Phytophthora nicotinae var.parasitica e a fusariose Fusarium subglutinans f. sp. ananas. Além da alta ocorrência da praga a mesma apresentou comportamento atípico, sendo encontrada atacando mudas do tipo filhote de 'Perola' e frutos em estágio próximo da colheita (MATOS et al., 2006). A utilização do controle químico, dentro da Produção Integrada (PI), para o controle de pragas tem por base o monitoramento. Especificamente para a broca-do-fruto, as inspeções devem ser iniciadas no aparecimento da inflorescência e encerradas após o fechamento das flores, com freqüência semanal e amostragem em dez pontos de 20 plantas, em plantios de até cinco hectares e em 20 pontos de 20 plantas em plantios com mais de cinco hectares. O controle químico deve ser iniciado com a detecção de pelo menos um adulto (borboleta) ou duas inflorescências com pelo menos um ovo da praga, ou seja, quando das primeiras posturas de ovos da broca, com redução na aplicação de inseticidas e nos custos com mão-de-obra (SANCHES, 2005; MATOS et al., 2007). Em Floresta do Araguaia, o combate à broca-do-fruto é realizado com pulverizações atrasadas, amplo intervalo de aplicações e em número insuficiente para o controle da praga (MATOS et al., 2006). Com a implantação do projeto de Produção Integrada de Abacaxi nesse município, o acompanhamento da população desse inseto vem sendo realizado com base no monitoramento.
Thesagro: Ananás Comosus
Praga.
Data Created: 2010-03-09
Appears in Collections:Artigo em anais de congresso (CPATU)

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
6214.pdf2,96 MBAdobe PDFThumbnail
View/Open

FacebookTwitterDeliciousLinkedInGoogle BookmarksMySpace