Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://www.alice.cnptia.embrapa.br/alice/handle/doc/921400
Unidade da Embrapa/Coleção:: Embrapa Semiárido - Artigo em periódico indexado (ALICE)
Data do documento: 2-Abr-2012
Tipo do Material: Artigo em periódico indexado (ALICE)
Autoria: SILVA, T. G. F. da
MOURA, M. S. B. de
ZOLNIER, S.
CARMO, J. F. A. do
SOUZA, L. S. B. de
Informaçães Adicionais: THIERES GEORGE FREIRE DA SILVA, Universidade Federal Rural de Pernambuco/Unidade Acadêmica de Serra Talhada; MAGNA SOELMA BESERRA DE MOURA, CPATSA; SÉRGIO ZOLNIER, Universidade Federal de Viçosa/Departamento de Engenharia Agrícola; JOSÉ FRANCISCO ALVES DO CARMO; LUCIANA SANDRA BASTOS DE SOUZA, Doutoranda da UFV.
Título: Biometria da parte aérea da cana soca irrigada no Submédio do Vale do São Francisco.
Edição: 2012
Fonte/Imprenta: Revista de Ciência Agronômica, Fortaleza, v. 43, n. 3, p. 500-509, jul-set. 2012.
Idioma: pt_BR
Palavras-chave: Cultivo
Vale do São Francisco
Filocrono
RB92579
Manejo da cultura
Cana-de-açúcar.
Conteúdo: A produtividade da cana-de-açúcar no Submédio do Vale do São Francisco tem apresentado desempenho de destaque devido à utilização de irrigação. Dessa forma, a obtenção de informações sobre o crescimento das plantas nessas condições é essencial, uma vez que podem ser utilizados para adequação do manejo da cultura. Assim, objetivou-se com este trabalho realizar uma análise biométrica da parte aérea da cana-de-açúcar irrigada, visando suprir a ausência de informações desta cultura na região. O experimento foi realizado no município de Juazeiro-BA, com a variedade RB92579, no ciclo de cana soca. Realizaramse dois tipos de análise, sendo uma destrutiva, onde plantas foram amostradas e conduzidas ao laboratório, e outra de natureza não destrutiva, na qual as variáveis foram monitoradas em campo. A partir dos resultados, foi possível constatar que a cultura apresentou altos padrões de perfilhamento (15,2 perfilhos m-2). O tombamento da cana-de-açúcar afeta a dinâmica da estatura dos colmos, a qual atingiu valor final de 421 ± 22 cm. Porém, não demonstrou impactos diretos sobre os padrões de comprimento (13,6 ± 2,4 cm), diâmetro (2,5 ± 0,2 cm) e volume dos internódios (68,8 ± 19,5 cm3), bem como no rendimento. A taxa de aparecimento foliar foi de 0,0079 folhasoCd-1, no Intervalo I, e de 0,0018 folhas oCd-1, no Intervalo II. A área máxima da folha (423 ± 39 cm2) depende da sua posição no colmo (no15) e responde, principalmente, ao comprimento foliar (máximo valor de 146 ± 6 cm), logo que a largura máxima (~4,2 ± 0,2 cm) tende a se estabilizar ao longo do ciclo. O índice de área foliar apresentou uma correlação positiva com o número de folhas verdes abertas e com a área das folhas.
Thesagro: Biometria
Tombamento.
Ano de Publicação: 2012
ISSN: 1806-6690
Aparece nas coleções:Artigo em periódico indexado (CPATSA)

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
artigobiometriacana2012.pdf811,79 kBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir

FacebookTwitterDeliciousLinkedInGoogle BookmarksMySpace