Please use this identifier to cite or link to this item: http://www.alice.cnptia.embrapa.br/alice/handle/doc/938126
Research center of Embrapa/Collection: Embrapa Meio-Norte - Artigo em periódico indexado (ALICE)
Date Issued: 2012
Type of Material: Artigo em periódico indexado (ALICE)
Authors: FREITAS, S. T.
PAMPLIN, P. A. Z.
LEGAT, J. F. A.
FOGACA, F. H. dos S.
MELO, R. F. de
Additional Information: SIMONE TUPINAMBÁ FREITAS, PRODEMA/UFPI/TROPEN; PAULO AUGUSTO ZAITUNE PAMPLIN, INSTITUTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA, UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS, CAMPUS POÇOS DE CALDAS.; JEFFERSON FRANCISCO ALVES LEGAT, CPAMN; FABIOLA HELENA DOS SANTOS FOGACA, CPAMN; ROSELI FARIAS DE MELO, UFPI.
Title: Conhecimento tradicional das marisqueiras de Barra Grande, área de proteção ambiental do Delta do Rio Parnaíba, Piauí, Brasil.
Publisher: Ambiente & Sociedade, São Paulo, v. 15, n. 2, p. 91-112, maio/ago. 2012.
Language: pt_BR
Keywords: Práticas tradicionais.
Description: Na comunidade de Barra Grande localizada no litoral do Piauí, as mulheres dos pescadores, conhecidas localmente como marisqueiras, extraem do manguezal vários tipos de moluscos para comercialização e em maior escala para a subsistência. Dados sobre a atividade de mariscagem, conceitos de conservação e aspectos socioeconômicos do contexto em que ocorre a atividade de cata dos moluscos, foram revelados após a aplicação de protocolos estruturados e semiestruturados. O molusco bivalve Anomalocardia brasiliana (Gmelin, 1791), popularmente denominado de marisco, é caracterizado por ser um importante recurso para a subsistência, sendo o mais coletado pela comunidade, seguido da Mytella charruana (d?Orbigny, 1842), o sururu, explorado para a comercialização por ter o maior valor de mercado. O conhecimento das marisqueiras sobre A. brasiliana foi comparado com literatura especializada, muitas vezes mostrando-se em harmonia com esta. Demonstra-se assim que o conhecimento tradicional deve ser valorizado para delineamento de programas de gestão de recursos pesqueiros da região. Quanto aos modos de pensar, foi revelado que 82,81% das marisqueiras praticam manejo para a conservação da A. brasiliana ao coletar apenas os indivíduos de maior tamanho, e 80,86% consideram que não existe poluição nos pontos de coletas. O surgimento de uma Associação exclusiva e cooperativa para as marisqueiras é necessário para a valorização do trabalho por elas desenvolvido, visto que há uma média estimada de 351 kg de carne sendo extraídos mensalmente.
Thesagro: Anomalocardia Brasiliana
Conservação.
Data Created: 2012-10-25
Appears in Collections:Artigo em periódico indexado (CPAMN)

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
AmbienteSociedade.pdf711,16 kBAdobe PDFThumbnail
View/Open

FacebookTwitterDeliciousLinkedInGoogle BookmarksMySpace