Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://www.alice.cnptia.embrapa.br/alice/handle/doc/1000625
Unidade da Embrapa/Coleção:: Embrapa Acre - Resumo em anais de congresso (ALICE)
Data do documento: 19-Nov-2014
Tipo do Material: Resumo em anais de congresso (ALICE)
Autoria: AZEVEDO, H. N. de
ASSIS, G. M. L. de
Informaçães Adicionais: GISELLE MARIANO LESSA DE ASSIS, CPAF-AC.
Título: Germinação de sementes de Arachis pintoi após tratamento para superação da dormência.
Edição: 2014
Fonte/Imprenta: In: SEMINÁRIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA, 2., 2014, Rio Branco. Anais... Rio Branco: Embrapa Acre; Uninorte, 2014.
Idioma: pt_BR
Palavras-chave: Germinação de sementes
Superação da dormência
Amendoim forrageiro
Conteúdo: O amendoim forrageiro (Arachis pintoi) é uma leguminosa nativa do Brasil que vem sendo utilizada com sucesso em diversos países, porém suas sementes apresentam elevada dormência. O objetivo do trabalho foi avaliar metodologias para superação da dormência em sementes de Arachis pintoi cv. BRS Mandobi. As sementes foram expostas a três tratamentos: T1: controle; T2: sementes incubadas em estufa a 50 ºC por 7 dias e tratadas com etefom a 0,6% por 16 horas; T3: sementes incubadas em estufa a 50 ºC por 14 dias e tratadas com etefom a 0,6% por 16 horas. As sementes foram armazenadas em sala refrigerada e avaliadas a cada dois meses por oito meses consecutivos. Foi avaliada a taxa de germinação das sementes em areia autoclavada, sendo realizadas quatro repetições de 50 sementes cada. O delineamento experimental utilizado foi o inteiramente casualizado em parcelas subdivididas. Verificou-se efeito significativo (P<0,01) da interação tratamento x tempo para a germinação das sementes, havendo ajuste de regressão quadrática para T1 e T2. Ambos os tratamentos (T2 e T3) empregados para superação da dormência foram eficientes, verificando-se que logo após a colheita, a germinação no T1 foi de 7,7%, enquanto que em T2 e T3 foi de 78,2% e 81,7%, respectivamente. A germinação máxima foi verificada no mês 2 para T2, que atingiu 86%, enquanto que para o T1 a germinação foi de apenas 25,5%. Aos oito meses após a colheita, a germinação para os três tratamentos foi de 64,5% (T1), 67,65% (T2) e 72,5% (T3), sendo para o controle o valor máximo obtido durante todo o período experimental. Recomenda-se a incubação das sementes em estufa a 50°C por sete ou 14 dias, seguida da imersão das mesmas em solução de etefom a 0,6% por 16 horas para superação da dormência de sementes de A. pintoi cv. BRS Mandobi.
Ano de Publicação: 2014
Aparece nas coleções:Resumo em anais de congresso (CPAF-AC)

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
25304.pdf50,03 kBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir

FacebookTwitterDeliciousLinkedInGoogle BookmarksMySpace