Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://www.alice.cnptia.embrapa.br/alice/handle/doc/1009618
Unidade da Embrapa/Coleção:: Embrapa Amazônia Oriental - Artigo em anais de congresso (ALICE)
Data do documento: 24-Fev-2015
Tipo do Material: Artigo em anais de congresso (ALICE)
Autoria: REIS, J. dos S.
MARTORANO, L. G.
BRIENZA JUNIOR, S.
SALOMÃO, R. de P.
MONTEIRO, D. C. A.
NASCIMENTO, N. C. C.
Informaçães Adicionais: JOSIANE DOS SANTOS REIS, MESTRANDA UFPA; LUCIETA GUERREIRO MARTORANO, CPATU; SILVIO BRIENZA JUNIOR, CPATU; RAFAEL DE PAIVA SALOMÃO, MPEG; DAIANA CAROLINA ANTUNES MONTEIRO, DOUTORANDA ESALQ; NATHALIA CRISTINA COSTA NASCIMENTO, FAMAZ.
Título: Espécimes de pau-rosa (Aniba rosaeodora Ducke - Lauraceae) na Floresta Nacional ods Tapajós: espécie nativa ameaçada de extinção na Amazônia.
Edição: 2014
Fonte/Imprenta: In: SEMINÁRIO DE PESQUISAS CIENTÍFICAS DA FLORESTA NACIONAL DO TAPAJÓS, 2., 2014, Santarém. Anais... Santarém: Instituto Chico Mendes, 2014.
Páginas: p. 154-160.
Idioma: pt_BR
Palavras-chave: Unidade de Conservação
Pau-Rosa
Óleos essenciais
Conteúdo: O Pau-Rosa (Aniba rosaeodora Ducke - Lauraceae) é a planta aromática amazônica mais conhecida e importante no comércio de óleos essenciais. Seu óleo é obtido por destilação das folhas, galhos, madeira e raízes, sendo rico em linalol. O produto tem grande demanda no mercado nacional e internacional por ser utilizado na aromaterapia, bem como na perfumaria de alto valor econômico. O corte indiscriminado e manejo inadequado fez com que a espécie fosse incluída pelo IBAMA na Lista Oficial de Espécies da Flora Brasileira Ameaçadas de Extinção. Também é classificada pela Red- List/IUCN na categoria Ameaçada, critério ?em perigo?. Diante disso, o objetivo deste trabalho foi identificar indivíduos na Floresta Nacional do Tapajós como possíveis matrizes de conservação genética nessa Unidade de Conservação e na região. Para identificar os indivíduos existentes realizou-se uma campanha de campo, em 2012, adotaram-se como ponto de referência os quilômetros 67 e 83 da Rodovia BR 163 que liga Santarém a Cuiabá, onde se localizam portões de acesso as áreas estudadas. As atividades obedeceram às normas de pesquisa de campo estabelecidas pelo ICMBIO. Para cada indivíduo identificado por parataxônomo e mateiro obteve-se a localização com auxílio do GPS (Global Positioning System), posteriormente foi elaborado o mapa em Sistema de Informações Geográficas. Foram identificados 15 indivíduos, sendo que 93,3% estavam em ocorrências isoladas.
Ano de Publicação: 2014
Aparece nas coleções:Artigo em anais de congresso (CPATU)

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
Flonap154.pdf1,38 MBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir

FacebookTwitterDeliciousLinkedInGoogle BookmarksMySpace