Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://www.alice.cnptia.embrapa.br/alice/handle/doc/1020880
Unidade da Embrapa/Coleção:: Embrapa Meio Ambiente - Artigo em anais de congresso (ALICE)
Data do documento: 30-Jul-2015
Tipo do Material: Artigo em anais de congresso (ALICE)
Autoria: PEREIRA, L. C.
LOMBARDI NETO, F.
TOCCHETTO, M. R. L.
Informaçães Adicionais: LAURO CHARLET PEREIRA, CNPMA; FRANCISCO LOMBARDI NETO, IAC; MARTA REGINA LOPES TOCCHETTO, UFSM.
Título: Avaliação agrícola das terras como instrumento de planejamento de uso sustentável: nível de manejo C.
Edição: 2005
Fonte/Imprenta: In: CONGRESSO INTERNACIONAL DE DESENVOLVIMENTO RURAL E AGROINDÚSTRIA FAMILIAR, 1., 2005, São Luiz Gonzaga/RS. [Anais...] São Luiz Gonzaga/RS: UERGS, 2005. p. 1612-1617.
Idioma: pt_BR
Palavras-chave: Sustentabilidade
Gestão agroambiental
Conservação de solo.
Conteúdo: O uso indiscriminado das terras, sem levar em conta as suas potencialidades, é uma das principais causas da degradação e perda de sua capacidade produtiva. Para uma agricultura correta e sustentável, torna-se imprescindível o cuidado e o uso equilibrado, especialmente do solo, água e biodiversidade. A área de estudo localiza-se na região de Ribeirão Preto, no Estado de São Paulo, com uma extensão de aproximadamente 276.451 ha. Abrange, total ou parcialmente, 17 municípios de alta expressão econômica no Estado, caracterizados por intensa atividade agrícola (cana-de-açúcar, café,citros, pastagem, reflorestamento e culturas anuais). O principal objetivo deste trabalho foi avaliar a aptidão agrícola das terras, no nível de manejo C (nível tecnológico alto), como subsídio ao planejamento rural sustentável. A metodologia utilizada seguiu o sistema de avaliação de terras,preconizado por RAMALHO-FILHO & BEEK (1995), com modificações conforme a proposta feita por PEREIRA (2002). Como resultado, verificou-se que as terras indicadas para lavouras apresentaram-se assim classificadas: 62,5% boa; 11,7% regular e 3,6% na classe restrita. Para atividades menos intensivas (pastagem e silvicultura), encontrou-se um total de 15,6%, sendo o restante da área para usos não agrícolas. Concluiu-se que trata-se de uma área com boas qualidades agroambientais, caracterizada principalmente pela elevada extensão de terras aptas ao uso agrícola, o que favorece a um planejamento e uso sustentáveis.
Thesagro: Desenvolvimento rural
Erosão
Conservação da água.
Ano de Publicação: 2005
Aparece nas coleções:Artigo em anais de congresso (CNPMA)

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
2005AA063.pdf1,68 MBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir

FacebookTwitterDeliciousLinkedInGoogle BookmarksMySpace