Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://www.alice.cnptia.embrapa.br/alice/handle/doc/1022673
Unidade da Embrapa/Coleção:: Embrapa Amazônia Oriental - Artigo em anais de congresso (ALICE)
Data do documento: 25-Ago-2015
Tipo do Material: Artigo em anais de congresso (ALICE)
Autoria: PINHEIRO, C. C. C.
FARIAS, S. C. C.
LINS, P. M. P.
CARVALHO, E. de A.
Informaçães Adicionais: Cássia Cristina Chaves Pinheiro, BOLSISTA CNPQ; Samuel Christian Cohen Farias, Sococo Produtos Alimentícios; Paulo Manoel Pontes Lins, Sococo Produtos Alimentícios; EUDES DE ARRUDA CARVALHO, CPATU.
Título: Mapeamento geoestatístico da distribuição espacial da resinose do coqueiro no estado do Pará.
Edição: 2015
Fonte/Imprenta: In: SEMINÁRIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA, 19.; SEMINÁRIO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA EMBRAPA AMAZÔNIA ORIENTAL, 3., 2015, Belém, PA. Anais. Belém, PA: Embrapa Amazônia Oriental, 2015.
Páginas: p. 60-64.
Idioma: pt_BR
Palavras-chave: Cocus nucifera
Incidência
Modelagem espacial.
Conteúdo: A resinose do coqueiro, cujo agente etiológico é o Thielaviopsis paradoxa, foi relatada pela primeira vez no Brasil em 2004 e atualmente incide em plantios das principais regiões produtoras do Brasil. A área atingida vem crescendo a cada ano, sendo imprescindíveis estudos sobre o progresso espaço-temporal da doença. Desta forma, o presente trabalho teve como objetivo monitorar o progresso da resinose e mapear a distribuição espacial da incidência da doença.Foram amostradas 900 plantas do híbrido PB-141 distribuídas em 30 linhas de plantios com 30 plantas cada em espaçamento triangular de 8,5 x 8,5m. A incidência da resinose foi monitorada mensalmente de janeiro de 2010 a dezembro de 2014 em um plantio comercial.Plotou-se a curva de progresso da incidência da doença ecalculou-se a Área Abaixo da Curva de Progresso da Incidência (AACPI). Os dados de incidência foram georreferenciados com base na posição relativa das plantas em relação às suas vizinhas para a determinação dos semivariogramas isotrópicos. Foi realizada a interpolação dos dados por krigagem ordinária para a visualização de padrões de distribuição espacial. A resinose apresentou padrão agregado com forte dependência espacial nos dois anos iniciais e, posteriormente, com magnitude moderada. Ajustou-se o modelo esférico à distribuição da doença em todos os anos avaliados.
Thesagro: Doença
Thielaviopsis Paradoxa.
Ano de Publicação: 2015
Aparece nas coleções:Artigo em anais de congresso (CPATU)

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
Pibic201512.pdf326,76 kBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir

FacebookTwitterDeliciousLinkedInGoogle BookmarksMySpace