Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://www.alice.cnptia.embrapa.br/alice/handle/doc/1022833
Unidade da Embrapa/Coleção:: Embrapa Amazônia Oriental - Artigo em anais de congresso (ALICE)
Data do documento: 27-Ago-2015
Tipo do Material: Artigo em anais de congresso (ALICE)
Autoria: ALENCAR SOBRINHO, R. S.
NASCIEMNTO, S. M. C. do
SILVA, C. M. da
CARVALHO, E. de A.
Informaçães Adicionais: Rayanne Savina Alencar Sobrinho, ESTAGIÁRIA CPATU; Silvia Mara Coelho do Nascimento, ESTAGIÁRIA CPATU; Carina Melo da Silva, ESTAGIÁRIA CPATU; EUDES DE ARRUDA CARVALHO, CPATU.
Título: Potencial de rizobactérias no controle de Thielaviopsis paradoxa.
Edição: 2015
Fonte/Imprenta: In: SEMINÁRIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA, 19.; SEMINÁRIO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA EMBRAPA AMAZÔNIA ORIENTAL, 3., 2015, Belém, PA. Anais. Belém, PA: Embrapa Amazônia Oriental, 2015.
Páginas: p. 261-264.
Idioma: pt_BR
Palavras-chave: Biocontrole
Palmeiras amazônicas
Podridão basal.
Conteúdo: O fungo Thielaviopsis paradoxa é patogênico a diversas culturas, incluindo palmeiras de importância econômica cultivadas na região Amazônica. Trata-se de um patógeno de solo de elevado potencial destrutivo e de difícil controle. Assim sendo, o presente trabalho teve como objetivo avaliar o potencial de rizobactérias dos gêneros Bacillus e Pseudomonas no controle ?in vitro? de T. paradoxa. Discos de 5 mm de diâmetro contendo micélio do patógeno foram transferidos para o centro da placa de Petri, contendo meio de cultura BDA. As bactérias foram repicadas com uma alça de platina formando um quadrado a 2 cm de distância no entorno do fungo. A testemunha foi constituída por placas de Petri com apenas o patógeno. As placas foram incubadas em câmara de crescimento, em delineamento inteiramente ao acaso, com quatro repetições. Foram realizadas medições do crescimento micelial do patógeno com um paquímetro digital. Os dados obtidos foram submetidos ao teste F a 5% de probabilidade e as médias comparadas pelo teste de Scott-Knott a 5%. Houve diferença significativa entre os tratamentos. Os isolados BC 03 e PS 23 apresentaram efeito inibitório de 100%, superando estatisticamente o isolado BC 18 com 80% de inibição do crescimento micelial de T. paradoxa. Oito isolados não diferiram da testemunha. Rizobactérias dos gêneros Bacillus e Pseudomonas apresentaram potencial para o controle de T. paradoxa, importante patógeno de palmeiras de importância econômica.
Thesagro: Antagonismo
Fungo.
Ano de Publicação: 2015
Aparece nas coleções:Artigo em anais de congresso (CPATU)

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
Pibic201555.pdf255,81 kBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir

FacebookTwitterDeliciousLinkedInGoogle BookmarksMySpace