Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://www.alice.cnptia.embrapa.br/alice/handle/doc/1022848
Unidade da Embrapa/Coleção:: Embrapa Amazônia Oriental - Artigo em anais de congresso (ALICE)
Data do documento: 27-Ago-2015
Tipo do Material: Artigo em anais de congresso (ALICE)
Autoria: CORDEIRO, H. K. C.
MENEZES, C.
SILVA, M. F. M. da
Informaçães Adicionais: Hayron Kalil Cardoso Cordeiro, BOLSISTA PIBIC/FAPESPA; CRISTIANO MENEZES, CPATU; Marcelo Flávio Moraes da Silva, GRADUANDO UFRA.
Título: Ácaros (Spadiseius sp.) que vivem em flores de açaizeiro e sua relação com as abelhas.
Edição: 2015
Fonte/Imprenta: In: SEMINÁRIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA, 19.; SEMINÁRIO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA EMBRAPA AMAZÔNIA ORIENTAL, 3., 2015, Belém, PA. Anais. Belém, PA: Embrapa Amazônia Oriental, 2015.
Páginas: p. 295-299.
Idioma: pt_BR
Palavras-chave: Comensalismo
Forésia
Interações
Meliponicultura
Conteúdo: Os ácaros e as abelhas têm coexistido desde o período Cretáceo e há evidências de uma relação estreita entre alguns táxons, provavelmente resultando a partir de um processo co-evolutivo. Este trabalho teve como objetivo estudar os ácaros (Spadiseius sp.) que vivem em flores de açaizeiro e sua relação com abelhas da espécie Scaptotrigona postica. O trabalho foi realizado no Meliponário da Embrapa Amazônia Oriental, em Belém, Pará, no período de setembro/2014 a julho/2015. Em raques de açaizeiro foram coletadas diariamente inflorescências para a quantificação dos ácaros. Foi avaliado o número de ácaros no corpo de abelhas que realizavam diferentes tipos de trabalhos e capturadas abelhas forrageiras na entrada das colônias para quantificação dos ácaros presentes no corpo das mesmas. Foi estabelecida uma criação de manutenção em laboratório. Ao longo do tempo de floração das flores masculinas houve variação no número de ácaros em algumas raques coletadas, o número de ácaros foi menor no início da floração, atingindo um pico e depois decrescendo, tendendo a zero. Os ácaros estiveram presentes apenas nas abelhas forrageiras, 58% destas possuíam ácaros. A partir desses resultados, verificou-se a necessidade de mais estudos para avaliar a interação desse ácaro com as abelhas sem ferrão, estudar comportamento e dinâmica populacional do ácaro nas inflorescências e conhecer aspectos biológicos dessa espécie.
Ano de Publicação: 2015
Aparece nas coleções:Artigo em anais de congresso (CPATU)

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
Pibic201563.pdf327,42 kBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir

FacebookTwitterDeliciousLinkedInGoogle BookmarksMySpace