Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://www.alice.cnptia.embrapa.br/alice/handle/doc/1035703
Unidade da Embrapa/Coleção:: Embrapa Amapá - Artigo em anais de congresso (ALICE)
Data do documento: 1-Fev-2016
Tipo do Material: Artigo em anais de congresso (ALICE)
Autoria: CARVALHO, A. C. A. de
EULER, A. C.
PINTO, E. R.
COSTA, J. B. P.
LIRA-GUEDES, A. C.
Informaçães Adicionais: ANTONIO CLAUDIO ALMEIDA DE CARVALHO, CPAF-AP; ANA MARGARIDA CASTRO EULER, CPAF-AP; EMANUELLE RAIOL PINTO, Instituto de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá, Manaus, AM; JANAINA BARBOSA P. COSTA, Projeto Florestam, Macapá, AP; ANA CLAUDIA LIRA-GUEDES, CPAF-AP.
Título: Cipó-titica: recurso florestal não madeireiro importante para a economia do Estado do Amapá.
Edição: 2015
Fonte/Imprenta: In: ENCONTRO LATINO AMERICANO DE UNIVERSIDADES SUSTENTÁVEIS, 2., 2015, Porto Alegre. Desafios do desenvolvimento sustentável para universidades latino americanas após a década da educação e os objetivos do milênio. Porto Alegre: Escola de Administração. UFRGS, 2015.
Idioma: pt_BR
Palavras-chave: Extrativismo
Conteúdo: O cipó-titica (Heteropsis flexuosa (Kunth) G.S. Bunting) é uma hemiepífita endêmica da Amazônia. Suas fibras naturais são utilizadas para tecer cestarias, objetos decorativos e mobílias artesanais. O estado do Amapá é o principal fornecedor dessa fibra para as indústrias do Brasil. O objetivo deste trabalho foi analisar a importância do cipó -titica para a economia do Amapá, em nível local e regional. O método central de análise foi o modelo de matriz insumo-produto desenvolvido por Wassily Leontief. A cadeia produtiva do cipó-titica no Amapá, vai desde a extração das fibras na floresta até a fabricação artesanal de móveis regionais. Foram identificados 5 agentes mercantis: Produção Primária, Varejo Rural, Indústria de Transformação Estadual, Atacado Nacional e a Indústria de Transformação Nacional. Destes, os três primeiros setores juntos detêm apenas 11% de todo o valor bruto da produção (VBP), ficando o restante na mão dos setores exógenos ao estado: Atacado Nacional, 15% e Transformação Nacional, 74%. Em 2009, esse sistema extrativista teve um valor adicionado bruto superior a 4 milhões de reais. Mas grande parte da riqueza gerada por esse produto florestal não madeireiro é transbordada da economia do Amapá para os setores da economia nacional, permanecendo com os extrativistas apenas 5% do VBP. O setor de atacado nacional (atravessadores que levam o cipó do Amapá para outras regiões do país) ficam com 15% e as empresas dessas regiões, que fabricam os móveis artesanais, ficam com 74% do VBP. É necessário a criação de políticas públicas estaduais para a valorização dos produtos da floresta, promovendo o manejo sustentável. O cipó-titica é um produto de grande potencial para economia do Amapá, mas, é preciso a indução à produção local de móveis com qualidade. Pois, com produtos finais manufaturados no Amapá, o setor de Transformação Estadual teria ganhos semelhantes aos das empresas de outros estados
Thesagro: Floresta tropical
Recurso florestal
Extração
Economia agricola
Ano de Publicação: 2015
Aparece nas coleções:Artigo em anais de congresso (CPAF-AP)

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
CPAFAP2015Cipotiticarecursoflorestalnaomadeireiro.pdf811,33 kBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir

FacebookTwitterDeliciousLinkedInGoogle BookmarksMySpace