Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://www.alice.cnptia.embrapa.br/alice/handle/doc/1059078
Unidade da Embrapa/Coleção:: Embrapa Agrossilvipastoril - Artigo em anais de congresso (ALICE)
Data do documento: 21-Dez-2016
Tipo do Material: Artigo em anais de congresso (ALICE)
Autoria: MAROCCOLO, J. F.
ECHEVERRY, S. M. V.
HOOGERHEIDE, E. S. S.
DINIZ, J. D. de A. S.
Informaçães Adicionais: JULIANNA FERNANDES MAROCCOLO, UNB; SANDRA MILENA VÉLEZ ECHEVERRY, UNB; EULALIA SOLER SOBREIRA HOOGERHEIDE, CPAMT; JANAÍNA DEANE DE ABREU SÁ DINIZ, UNB.
Título: O papel das associações e cooperativas na estruturação da cadeia produtiva da castanha-do-brasil (bertholletia excelsa) no estado do Mato Grosso.
Edição: 2016
Fonte/Imprenta: In: CONGRESSO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E SOCIOLOGIA RURAL, 54., 2016, Maceió. Desenvolvimento, território e biodiversidade. MAceió: UFAL: SOBER, 2016.
Idioma: pt_BR
Palavras-chave: Organizações sociais
Inclusão produtiva
Conteúdo: Algumas regiões ao Norte do estado do Mato Grosso abrigam florestas e recursos florestais não madeireiros com importância para a economia local, como é o caso da castanha-do-brasil (Bertholletia excelsa), um produto de uso tradicional por diversas populações amazônicas. Ao gerar renda para as comunidades locais e contribuir para a conservação da floresta amazônica, a castanha é considerada um dos produtos da sociobiodiversidade prioritários para a estruturação de sua cadeia produtiva. Muitos incentivos vêm sendo feitos para se organizar e estruturar essa cadeia produtiva no estado e a atuação das associações e cooperativas locais tem sido primordial nesse processo. Com o intuito de compreender melhor o papel dessas organizações na cadeia da castanha-do-brasil no Mato Grosso, este artigo busca analisar a atuação desses empreendimentos na consolidação da cadeia produtiva da castanha no estado, a partir de suas contribuições nos processos de organização e representação social, valorização, certificação e acesso aos mercados pelos produtores extrativistas. A coleta de dados consistiu em um levantamento prévio de dados secundários. A partir da metodologia ?bola de neve?, foram identificadas as organizações atuantes na cadeia em diferentes regiões do estado e, posteriormente, foram realizadas entrevistas com os representantes dessas organizações com base em questionários semiestruturados. A análise das informações foi realizada com auxílio do programa Sphinx Léxica e Survey, além do Excel. Foram entrevistados representantes de 17 organizações - 13 associações e quatro cooperativas - atuantes em diferentes regiões do estado. A atividade de coleta da castanha foi identificada em Programas de Assentamento, Propriedades Particulares de terceiros, Unidades de Conservação e Terras Indígenas. Nos locais em que existem projetos apoiados por organizações, a cadeia da castanha se apresenta mais estruturada e diversificada, sendo o caso das microrregiões de Arinos e Aripuanã.
Thesagro: Castanha do para
Cadeia produtiva
Ano de Publicação: 2016
Aparece nas coleções:Artigo em anais de congresso (CPAMT)

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
2016cpamthoogerheideassociacoesestruturacaocadeiaprodutivacastanha.pdf1,76 MBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir

FacebookTwitterDeliciousLinkedInGoogle BookmarksMySpace