Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://www.alice.cnptia.embrapa.br/alice/handle/doc/106216
Unidade da Embrapa/Coleção:: Área de Informação da Sede - Artigo em periódico indexado (ALICE)
Data do documento: 8-Fev-2002
Tipo do Material: Artigo em periódico indexado (ALICE)
Autoria: CEREZINE, P. C.
KUROZAWA, C.
MISCHAN, M. M.
Título: Murcha de Veticillium em Tomateiro: I. Influência do Potencial de Inóculo de Verticillium Dahliae no Comportamento das Variedades de Tomateiro Angela Hiper e Marmande VR.
Edição: 1991
Fonte/Imprenta: Pesquisa Agropecuária Brasileira, Brasília, v.26, n.11/12, p.22043-2054, nov/dez.1991
Idioma: pt_BR
Palavras-chave: V
albo-atrum (forma microescierocial)
raças fisiológicas
variedades diferenciadas.
Conteúdo: O comportamento das variedades de tomateiro Angela Hiper, suscetível, e Marmande VR, resistentes à raça 1 de Verticilhum dahhae, sob diferentes potenciais de inóculo do patógeno, foi estudado em condições controladas. A inoculação das plântulas foi realizada de 13 a 15 dias após a semeadura, através de imersão de raízes, por 15 minutos, em sus soes de inóculo ajustadas a diferentes concentrações. Para potenciais de inóculo de 10', lonnlo. conídiosliril, a evolução da doença e a severidade dos sintomas de murcha vascular foi tanto maior, em ambas as variedades, quanto mais elevado o potencial de inóculo dos isolados T- 1386 e T- 1439 de V. dahhae. Já para o isolado T- 1135, a variedade Marmande VR apresentou índices de doença muito baixos e lenta evolução de sintomas de quaisquer dos três potenciais de inóculo utilizados, sendo possível diferenciá-la da variedade A~pela Hiper. O mesmo foi observado para os isolados T- 1289 e T- 1355 inoculados com 10 e 10' conídiosinil. Entretanto, inoculaçôes com o isolado T-1289 à concentração de 10" conídiosíml proporcionaram elevados índices de doença na variedade Marmande VR, muito embora a mesma tenha se comportado como resistente em potenciais inferiores. O potencial de cerca de 10' conídios/nú mostrou ser o mais adequado para uso na identificação de raças do patógeno através da observação da reação das variedades Angela Hiper e Marinande VR de tomateiro, em condições controladas.
Thesagro: Doença Vascular
Lycopersicon Esculentum.
Ano de Publicação: 1991
Aparece nas coleções:Artigo em periódico indexado (AI-SEDE) / Embrapa Informação Tecnológica (SCT)

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
pab28novdez91.pdf749,95 kBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir

FacebookTwitterDeliciousLinkedInGoogle BookmarksMySpace