Please use this identifier to cite or link to this item: http://www.alice.cnptia.embrapa.br/alice/handle/doc/14617
Research center of Embrapa/Collection: Embrapa Meio Ambiente - Tese/dissertação (ALICE)
Date Issued: 2006
Type of Material: Tese/dissertação (ALICE)
Authors: DOMINGUES, F.
Additional Information: F. DOMINGUES, ESALQ/USP.
Title: Controle físico e biológico de Fusarium Oxysporum f. sp. zingiberi em gengibre.
Publisher: 2006.
Pages: 58 f.
Language: pt_BR
Notes: Mestrado em Agronomia (Fitopatologia), ESALQ/USP, Piracicaba. Orientador: Raquel Ghini (Embrapa Meio Ambiente).
Description: O amarelo ou murcha de Fusarium, causado por Fusarium oxysporum f. sp. zingiberi, vem assumindo grande importância na cultura do gengibre devido à ausência de métodos eficientes de controle. Com os objetivos de testar a termoterapia associada ao tratamento químico e biológico para a obtenção de rizomas-semente sadios e avaliar a indução de supressividade do solo a Fusarium oxysporum f. sp. zingiberi com a incorporação de casca de camarão, seis ensaios foram conduzidos. Para o tratamento térmico, foram utilizados rizomas infectados, com aproximadamente 5 cm de comprimento. As relações tempo-temperatura utilizadas foram: 45oC por zero, 60, e 180 minutos e 50oC por zero, dez e 20 minutos (ensaio 1 e campo); 50oC por zero, 30 e 60 minutos e 55oC por zero, 10 e 20 minutos (ensaio 2); 50, 55, e 600C por zero, 10 e 20 minutos (ensaio 3). As caldas para tratamento térmico foram constituídas por água, solução de tiofanato metílico e caldo fermentado por bacillus subtilis. No experimento em laboratório, os rizomas foram inoculados artificialmente. Após uma semana, receberam o tratamento térmico a 45oC por 60, 120 e 180 minutos e 50oC e 55oC por 10 e 20 minutos. Após a termoterapia, segmentos de rizoma foram plaqueados, sendo avaliados pela contagem dos segmentos que apresentavam o crescimento do patógeno. Na coleta, foram avaliadas altura, peso da matéria fresca da parte aérea e produção, e realizado o plaqueamento da parte aérea, raiz e rizoma. Para verificar a possibilidade do uso de casca de camarão, o solo foi infestado com o isolado patogênico. Após uma semana, houve a incorporação da casca de camarão ao solo nas concentrações de 0; 2,5; 5; 7,5; 10; 15 e 20% (v/v). A população de Fusarium do solo e a comunidade de actinomicetos foram avaliadas semanalmente por diluição em série e plaqueamento. Após oito semanas da incorporação, foi realizado o plantio de um rizoma-semente de gengibre por vaso. Na coleta, a avaliação foi realizada da mesma maneira que para termoterapia. Através de todos os resultados obtidos nos cinco ensaios de termoterapia, verificou-se a possibilidade de utilização da técnica com sucesso no auxílio ao controle da doença. As melhores combinações tempo/temperatura foram a 45oC pelo tempo de 120 minutos ou a 55oC por 20 minutos em todas as caldas. No teste com o uso da casca de camarão, houve uma diminuição da população de Fusarium e aumento da comunidade de actinomicetos nos solos que receberam a incorporação de casca. A adição de casca de camarão ao solo permite o plantio do gengibre em locais onde o patógeno esteja presente.
Thesagro: Gengibre
Doença de planta
Controle biológico
Murcha de fusarium
Data Created: 2006-05-10
Appears in Collections:Tese/dissertação (CNPMA)

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
2006TS002.pdf309.41 kBAdobe PDFThumbnail
View/Open

FacebookTwitterDeliciousLinkedInGoogle BookmarksMySpace