Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://www.alice.cnptia.embrapa.br/alice/handle/doc/444623
Unidade da Embrapa/Coleção:: Embrapa Soja - Resumo em anais de congresso (ALICE)
Data do documento: 11-Nov-2003
Tipo do Material: Resumo em anais de congresso (ALICE)
Autoria: FRANÇA-NETO, J. B.
SHATTERS JUNIOR, R. G.
BOO, S. P.
WEST, S. H.
Informaçães Adicionais: JOSE DE BARROS FRANCA NETO, CNPSO.
Título: Expressão de proteínas associadas à biotina durante os processos de embriogênese e maturação das sementes de soja.
Edição: 1997
Fonte/Imprenta: Informativo ABRATES, Curitiba, v. 7, n. 1/2, p. 47, jul;/ago. 1997. Número especial, ref. 027.
Idioma: pt_BR
Notas: Edição do X Congresso Brasileiro de Sementes, 1997.
Palavras-chave: Soja
Conteúdo: RESUMO - A expressão de proteínas biotinizadas (PBs), durante a embriogênese e a maturação da semente de soja, foi caracterizada. O padrão de ocorrência dessas PBs foi comparado com o desenvolvimento e com a capacidade de tolerância à dessecação das sementes. Três grupos de PBs foram observados, através do método de detecção do complexo biotina­ estrepatavidine: o primeiro consistiu de um agregado de três bandas, com peso molecular (PM) médio de 85kd (chamado de PB85), detectado em extratos brutos de eixos embrionários (EE), extraídos de sementes não-dessecadas (SND) e de sementes dessecadas lentamente (SOL); o segundo , PB75, era uma única proteína, com PM de 75kd presente em extratos de cotilédones (COT) e de EE extraídos de SND e de SOL; o terceiro grupo, com PM médio de 35kd (PB35), foi detectado em altas concentrações apenas em COT de SND. A concentração mais elevada de PB35 foi detectada nos estádios iniciais de desenvolvimento das sementes (aos 21 dias após a floração - DAF) e decresceu com o desenvolvimento das sementes, sendo quase não detectável aos 47 DAF. Inversamente, apenas traços de PB75 e de PB85 extraídas de EE e COT foram detectados nos estádios iniciais de desenvolvimento das sementes (21 a 33 DAF). Os níveis máximos de acúmulo dessas proteínas foram atingidos aos 42 e 47 DAF e permaneceram constantes até a maturação de campo. A tolerância à dessecação das sementes iniciou-se a partir de 47 DAF, estádio que coincidiu com o acúmulo máximo de PB75e PB85 nas sementes. Entretanto, a dessecação de sementes imaturas, que ainda não haviam adquirido tolerância à dessecação, também estimulou o aparecimento dessas proteínas. Portanto, o acúmulo de algumas PBs coincide com o desenvolvimento da tolerância das sementes à dessecação. Porém, tal acúmulo não explica totalmente o processo de tolerância à dessecação.
Ano de Publicação: 1997
Aparece nas coleções:Resumo em anais de congresso (CNPSO)

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
id224420001.pdf333,93 kBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir

FacebookTwitterDeliciousLinkedInGoogle BookmarksMySpace