Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://www.alice.cnptia.embrapa.br/alice/handle/doc/465572
Unidade da Embrapa/Coleção:: Embrapa Soja - Resumo em anais de congresso (ALICE)
Data do documento: 9-Out-2003
Tipo do Material: Resumo em anais de congresso (ALICE)
Autoria: ANDREOLI, C.
ANDRADE, R. V. de
Informaçães Adicionais: CLAUDINEI ANDREOLI, CNPSo.
Título: Considerações estatísticas sobre os testes de pureza genética em milho e soja.
Edição: 2003
Fonte/Imprenta: Informativo ABRATES, Londrina, v. 13, n. 3, p. 118, set. 2003. Número especial, ref. 113.
Idioma: pt_BR
Notas: Edição dos Resumos do XIII Congresso Brasileiro de Sementes, Gramado, RS, set. 2003.
Conteúdo: A pureza genética é um dos atributos de qualidade de lotes de sementes. Como resultado, a pureza genética de lotes de sementes adquire importância crescente entre produtores e consumidores. Um aspecto crucial no processo de produção de sementes é o desenho de métodos e procedimentos de amostragem e testes para avaliar a pureza dos lotes. Entretanto, devido aos erros e às incertezas freqüentemente associadas a esses métodos, sempre há o risco de rejeição ou de aceitação indevida de determinado lote de semente. O desenvolvimento de planos apropriados de amostragem é especialmente importante, por exemplo, para a verificação de contaminações de lotes de cultivares geneticamente modificadas, caso em que os métodos moleculares utilizados para a verificação de contaminações são muito caros, de tal modo que as amostras de trabalho tendem a incluir um número reduzido de sementes. Com base na metodologia da curva característica de operação (CCO), que usa a distribuição binomial, este trabalho avaliou alguns padrões de tolerância utilizados na produção de semente de milho e soja no Brasil. Discutiu-se, também, os fatores que deveriam ser considerados quando da implementação de testes de pureza, especialmente aqueles voltados à pureza genética, principalmente em relação à mistura genética. Este trabalho procurou ainda explicar os conceitos estatísticos dos riscos potenciais que afetam os produtores e os consumidores. Com base na metodologia de (CCO) ficou evidenciado que os padrões de tolerância de campo e de semente, estabelecidos por algumas Comissões Estaduais de Sementes e Mudas (CESM), para semente de milho e soja não estão em conformidade com os planos de amostragem, havendo, portanto, necessidade de sua revisão em bases metodológicas mais sólidas.
Thesagro: Soja.
Ano de Publicação: 2003
Aparece nas coleções:Resumo em anais de congresso (CNPSO)

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
id220910001.pdf416,39 kBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir

FacebookTwitterDeliciousLinkedInGoogle BookmarksMySpace