Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://www.alice.cnptia.embrapa.br/alice/handle/doc/489193
Unidade da Embrapa/Coleção:: Embrapa Milho e Sorgo - Artigo em periódico indexado (ALICE)
Data do documento: 27-Jan-2006
Tipo do Material: Artigo em periódico indexado (ALICE)
Autoria: MARQUES, J. J. G. de S. e M.
ALVARENGA, R. C.
CURI, N.
Informaçães Adicionais: RAMON COSTA ALVARENGA, CNPMS.
Título: Erosividade das chuvas de regiao de Sete Lagoas, MG.
Edição: 1998
Fonte/Imprenta: Pesquisa Agropecuária Brasileira, Brasília, v. 33, n. 5, p. 761-768, maio 1998.
Idioma: pt_BR
Palavras-chave: USLE.
Conteúdo: Os objetivos deste trabalho foram: calcular a erosividade das chuvas de Sete Lagoas, MG; comparar os valores da erosividade fornecidos por duas diferentes equações de cálculo de energia cinética; e fornecer equações que permitam estimar a erosividade por meio de parâmetros pluviométricos. Foram estudadas 285 chuvas Uan.l93 a dez.l95), das quais apenas 33% foram consideradas erosivas, correspondendo a 73% da precipitação ocorrida. Os índices de erosividade (EI3o e KE>25) apresentaram o mesmo comportamento ao longo do ano. Os valores obtidos para o fator R foram 5835 MJ mm (ha h ano):' e 116,3 MJ (ha ano):', para o EI30 e KE>25, respectivamente. As equações utilizadas para cálculo da energia cinética forneceram valores de erosividade muito semelhantes. O período de plantio e estabelecimento das culturas (outubro a dezembro) é o de maior risco quanto à erosão. Durante o período de março a agosto, a erosividade não sofre acréscimos consideráveis.
Thesagro: Chuva
Erosão.
Ano de Publicação: 1998
Aparece nas coleções:Artigo em periódico indexado (CNPMS)

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
Erosividadechuva.pdf159,86 kBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir

FacebookTwitterDeliciousLinkedInGoogle BookmarksMySpace