Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://www.alice.cnptia.embrapa.br/alice/handle/doc/491652
Unidade da Embrapa/Coleção:: Embrapa Milho e Sorgo - Artigo em periódico indexado (ALICE)
Data do documento: 29-Jan-2009
Tipo do Material: Artigo em periódico indexado (ALICE)
Autoria: GUIDELLI-THULER, A. M.
SENA, J. A. D.
ABREU, I. L.
DAVOLOS, C. C.
ALVES, S. B.
POLANCZYK, R. A.
VALICENTE, F. H.
LEMOS, M. V. F.
Informaçães Adicionais: A. M. Guidelli-Thuler, Universidade Estadual Paulista; J. A. D. Sena, Universidade Estadual Paulista; I. L. Abreu, Universidade Estadual Paulista; S. B. Davolos, Universidade Estadual Paulista; S. B. Alves, Esalq; R. A. Polanczyk, UFES; FERNANDO HERCOS VALICENTE, CNPMS; M. V. F. Lemos, Universidade Estadual Paulista.
Título: Bacillus Thuringiensis: diversidade gênica em isolados Lepidoptera-específicos.
Edição: 2008
Fonte/Imprenta: Arquivos do Instituto Biológico, São Paulo, v. 73, n. 4, p. 411-420, out./dez. 2008.
Idioma: pt_BR
Palavras-chave: Variabilidade genética
Gene cryl
Bacillus thuringiensis
Conteúdo: O presente trabalho teve como objetivo caracterizar geneticamente 1.073 isolados de Bacillus thuringiensis, de três coleções brasileiras, provenientes da UNESP, Jaboticabal, ESALQ - Piracicaba e da EMBRAPA. Sete Lagoas, analisando os tipos de genes cryl apresentados pelos isolados. Para isso, foram elaborados oligonucleotídeos iniciadores a partir de 16 regiões conservadas e 4 regiôes não conservadas das seqüências de cada uma das 16 subclasses do gene cryl. Essas seqüências foram amplificadas por PCR e a presença de amplicons para cada subclasse foi calculada em porcentagem por gene e por coleção. Nessa análise, 55,7'?u dos isolados apresentaram amplificação para o gene cryl, e as subclasses cryl Aa, cryl Al>, cryl Ac. cryl Ad, cryl Ac, cryl Af, cryl 1 Ag, l e cryl 1 Bj; cryl Ca e cryl Fa estão presentes em ai ta proporção de isolados, variando de 43,4 % a 54, 9'?u. Verificou-se que existe uma distribuição das subclasses dentro do banco de isolados de B. thuringiensis em estudo, com maior porcentagem de isolados portadores dos genes cryl Al> (42,12%) e com menor porcentagem de representantes da subclasse cryl D/1 (0,6%). A variabilidade gênica, nas coleções analisadas, destaca as coleções de Jaboticabal e Piracicaba como fontes de isolados promissores para uso em programas de Controle Biológico de pragas da ordem Lepidoptera. A coleção de Sete Lagoas, na qual as freqüências das subclasses estudadas foram reIativamente baixas (a baixo de 20%), destaca somente o gene cryl A/1, presente em 38,5% dos isolados desta coleção.
Ano de Publicação: 2008
Aparece nas coleções:Artigo em periódico indexado (CNPMS)

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
Bacillusthuringiensis1.pdf305,02 kBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir

FacebookTwitterDeliciousLinkedInGoogle BookmarksMySpace