Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://www.alice.cnptia.embrapa.br/alice/handle/doc/904113
Unidade da Embrapa/Coleção:: Embrapa Meio-Norte - Artigo em anais de congresso (ALICE)
Data do documento: 25-Out-2011
Tipo do Material: Artigo em anais de congresso (ALICE)
Autoria: NASCIMENTO, H. T. S. do
NASCIMENTO, M. P. S. C. B.
Informaçães Adicionais: HOSTON TOMAS SANTOS DO NASCIMENTO, CPAMN; MARIA P. SOCORRO C. BONA NASCIMENTO, CPAMN.
Título: Tratamento de resíduos agroindustriais com uréia.
Edição: 1997
Fonte/Imprenta: In: REUNIÃO ANUAL DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE ZOOTECNIA, 34., 1997, Juiz de Fora. Anais. Juiz de Fora: SBZ, 1997. v. 1, p. 433-434.
Idioma: pt_BR
Palavras-chave: Bagaço de cana
Bagana de carnaúba
Casca de arroz
Proteína
Conteúdo: Bagaço de cana, casca de arroz e bagana de carnauba (Copernicia prunifera) foram tratados com uréia liquida, visando-se melhorar o seu valor nutritivo para utilização na alimentação animal. Foi utilizada a uréia liquida ( a 5%) na proporção de 100 l da solução para 100 kg de resíduo. Os materiais foram incubados em silos durante 10, 20 e 30 dias. 0 delineamento foi inteiramente casualisado, com três repetições. Os três resíduos tiveram seus percentuais de proteína aumentados pela amoniação, sendo que os aumentos foram relativamente maiores nos materiais de menor teor proteico. Antes da incubação os percentuais de proteína eram de. 2,78; 4,43 e 10,03, respectivamente em bagaço de cana, casca de arroz, e bagana de carnauba, aumentando para 5,20; 7,56 e 13,97% após dez dias de incubação. Os períodos de incubação superiores a 10 dias não tiveram efeito benéfico (P>0,05), ocorrendo até mesmo decréscimo nos percentuais de proteína, com o alongamento do período de incubação.
Ano de Publicação: 1997
Aparece nas coleções:Artigo em anais de congresso (CPAMN)

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
Tratamento0001.pdf175,76 kBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir

FacebookTwitterDeliciousLinkedInGoogle BookmarksMySpace