Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://www.alice.cnptia.embrapa.br/alice/handle/doc/905478
Unidade da Embrapa/Coleção:: Embrapa Semiárido - Artigo em anais de congresso (ALICE)
Data do documento: 9-Nov-2011
Tipo do Material: Artigo em anais de congresso (ALICE)
Autoria: SILVA, N. B. G.
BISPO, L. dos P.
SANTOS, J. T. L.
AZEVEDO, S. G. de
SOUZA, A. V. de
KIILL, L. H. P.
Informaçães Adicionais: NERIMAR BARBOSA GUIMARÃES DA SILVA; LUMA DOS PASSOS BISPO; JHONATAN THIAGO LACERDA SANTOS; SERGIO GUILHERME DE AZEVEDO, CPATSA; ANA VALERIA DE SOUZA, CPATSA; LUCIA HELENA PIEDADE KIILL, CPATSA.
Título: Levantamento de plantas aromáticas potenciais em comunidades dos Territórios do Sertão do São Francisco.
Edição: 2011
Fonte/Imprenta: In: JORNADA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA EMBRAPA SEMIÁRIDO, 6., 2011, Petrolina. Anais... Petrolina: Embrapa Semiárido, 2011.
Páginas: p. 69-74.
Série: (Embrapa Semiárido. Documentos, 238).
Idioma: pt_BR
Palavras-chave: Plantas aromáticas
Planta nativa
Planta medicinal
Aroeira
Diagnóstico Rápido Participativo
Conteúdo: Este trabalho teve por objetivo identificar plantas de potencial aromático e/ou medicinal em comunidades dos municípios dos Territórios do Sertão do São Francisco nos estados de Pernambuco e Bahia. Para isso, foi feito um Diagnóstico Rápido Participativo (DRP), por meio de reuniões. Após a apresentação do projeto e do objetivo do levantamento, foi feita a distribuição dos mapas, para que os presentes pudessem listar e localizar as espécies nativas ou cultivadas de potencial aromático e/ou medicinal. Paralelamente, foi aplicado um questionário para levantar mais detalhes de cada comunidade. Os resultados obtidos mostraram que 43,75% dos entrevistados usam plantas da Caatinga e 41,96% utilizam plantas cultivadas no quintal. De modo geral, foram citadas 87 plantas de potencial aromático e/ou medicinal das quais 40,23% são cultivadas em hortas caseiras e 59,77% entre as espécies nativas ou de ocorrência na Caatinga. Entre as espécies cultivadas, destacou-se a hortelã (14,33%) e, entre as espécies nativas, a aroeira (10,30%) foi a mais citada. Com os resultados, verifica-se que há um conhecimento empírico do potencial medicinal e aromático das plantas da Caatinga, porém, o mesmo não vem sendo utilizado como uma fonte de renda para os agricultores familiares.
Thesagro: Caatinga
Ano de Publicação: 2011
Aparece nas coleções:Artigo em anais de congresso (CPATSA)

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
64Nerimar.pdf323,09 kBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir

FacebookTwitterDeliciousLinkedInGoogle BookmarksMySpace