Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://www.alice.cnptia.embrapa.br/alice/handle/doc/917258
Unidade da Embrapa/Coleção:: Embrapa Soja - Resumo em anais de congresso (ALICE)
Data do documento: 2-Mar-2012
Tipo do Material: Resumo em anais de congresso (ALICE)
Autoria: SOARES, R. M.
ARIAS, C. A. A.
OLIVEIRA, M. F.
CARNEIRO, G. E. S.
PIPOLO, A. E.
MELLO FILHO, O. L.
FRONZA, V.
PEREIRA, M. J. Z.
Informaçães Adicionais: RAFAEL MOREIRA SOARES, CNPSO; CARLOS ALBERTO ARRABAL ARIAS, CNPSO; MARCELO FERNANDES DE OLIVEIRA, CNPSO; GERALDO ESTEVAM DE SOUZA CARNEIRO, CNPSO; ANTONIO EDUARDO PIPOLO, CNPSO; ODILON LEMOS DE MELLO FILHO, CNPSO; VANOLI FRONZA, CNPSO; MONICA JULIANI ZAVAGLIA PEREIRA, CNPSO.
Título: Seleção de linhagens de soja quanto a reação a ferrugem asiática, em diferentes momentos de inoculação.
Edição: 2011
Fonte/Imprenta: Tropical Plant Pathology, Brasília, DF, v. 36, Supl., p. 174, ago. 2011. Edição dos Anais do 44 Congresso Brasileiro de Fitopatologia, Bento Gonçalves, ago. 2011.
Idioma: pt_BR
Palavras-chave: Ferrugem asiática da soja
Conteúdo: Este ensaio teve o objetivo de selecionar linhagens de soja quanto a reação a ferrugem asiática, quando inoculadas no estádio vegetativo ou no estádio reprodutivo. Foram selecionadas 222 linhagens do programa de melhoramento da Embrapa Soja, consideradas com potencial para expressar resistência a ferrugem devido as fontes usadas nos cruzamentos que as originaram. Foram semeados dois vasos por linhagem, sendo um deixado em casa de vegetação infestada por Phakopsora pachyrhizi desde a semeadura e o outro só transferido para a casa infestada a partir do florescimento. Avaliou-se a severidade (% área foliar infectada), quantidade de esporulação (notas de 0 a 3) e tipo de lesão [RB (mais resistente), RT, TR ou Tan (mais suscetível)], no folíolo mais infectado de cada planta. Do grupo submetido ao fungo desde o vegetativo, 75 linhagens mostraram lesão RB, 29 RT, 25 TR e 93 Tan, e a esporulação predominante foi nota 1 para RB e RT, e nota 2 para TR e Tan. Do grupo submetido ao fungo a partir do florescimento, foram 58 RB, 49 RT, 25 TR e 90 Tan, e a esporulação predominante foi nota 1 para RB, nota 2 para RT e TR, e nota 3 para Tan. Os resultados mostraram que nas linhagens com lesões Tan e TR, o momento da exposição das plantas ao fungo não interferiu na reação a doença. As linhagens com lesões RB e RT, expostas ao fungo a partir da floração, em geral apresentaram maior esporulação, menor número de lesões RB, maior número de lesões RT e maior severidade média. Verificou-se que, apesar da alta virulência do fungo, existem linhagens promissoras para se tornarem cultivares resistentes.
Ano de Publicação: 2011
Aparece nas coleções:Resumo em anais de congresso (CNPSO)

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
arias.selecao.pdf185,71 kBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir

FacebookTwitterDeliciousLinkedInGoogle BookmarksMySpace