Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://www.alice.cnptia.embrapa.br/alice/handle/doc/920423
Unidade da Embrapa/Coleção:: Embrapa Amazônia Oriental - Artigo em periódico indexado (ALICE)
Data do documento: 27-Mar-2012
Tipo do Material: Artigo em periódico indexado (ALICE)
Autoria: GURGEL, F. de L.
LAVIOLA, B. G.
SILVA, D. M. da
KOBAYASHI, A. K.
ROSADO, T. B.
Informaçães Adicionais: FABIO DE LIMA GURGEL, CPATU; BRUNO GALVEAS LAVIOLA, CNPAE; DANIEL MEDEIROS DA SILVA, UPIS; ADILSON KENJI KOBAYASHI, CPAMN; TATIANA BARBOSA ROSADO, EMBRAPA.
Título: Phenology and biometry of physic nut in the Brazilian Savannah.
Edição: 2011
Fonte/Imprenta: Ciência e Agrotecnologia, Lavras, v. 35, n. 6, p. 1122-1131, nov./dez. 2011.
Idioma: en
Palavras-chave: Taxa de crescimento
Florescimento
Frutificação
Temperatura.
Conteúdo: Estudos fenológicos de três acessos morfologicamente distintos de Jatropha curcas foram conduzidos no bioma Cerrado brasileiro. A taxa de crescimento da planta, florescimento, formação e desenvolvimento dos frutos foram medidos, a fim de se estabelecer práticas de manejo eficientes para o aumento de produtividade. Os acessos estudados foram: CNPAE-102 (tóxico, susceptível a oídio), CNPAE-169 (não-tóxico, susceptível a oídio) e CNPAE-259 (tóxico, resistente a oídio). Os materiais considerados não-tóxicos não possuem ésteres de forbol detectáveis nos grãos. No período de um ano (agosto de 2009 a julho de 2010) registraram-se, quinzenalmente, as variáveis agronômicas (altura de plantas, número de inflorescências, número de frutos verdes e maduros por planta) de cada acesso, correlacionando-as com as variáveis climáticas, por meio da análise de correlação de Pearson. O acesso CNPAE-102 apresentou a maior taxa de crescimento (0,76 cm dia-1), incremento 1,10 m na altura e altura final de 2,60 m; o CNPAE-169 apresentou menor incremento (0,63 cm dia-1), atingindo altura final de 1,85 m. Os acessos CNPAE-259 e CNPAE-102 foram os mais precoces, e o CNPAE-169 o mais tardio. A temperatura mínima foi a variável climática que determinou o maior número de inflorescências.
Ano de Publicação: 2011
Aparece nas coleções:Artigo em periódico indexado (CPATU)

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
a12v35n6.pdf320,28 kBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir
Cagro4271.pdf153,61 kBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir

FacebookTwitterDeliciousLinkedInGoogle BookmarksMySpace