Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://www.alice.cnptia.embrapa.br/alice/handle/doc/928419
Unidade da Embrapa/Coleção:: Embrapa Soja - Artigo em anais de congresso (ALICE)
Data do documento: 16-Jul-2012
Tipo do Material: Artigo em anais de congresso (ALICE)
Autoria: YANO, S. A. C.
SANTANA, G. K. S.
NEIVA, M. M.
MOSCARDI F.
MARTINELLI, S.
SOSA-GOMEZ, D.R.
Informaçães Adicionais: UFPR - Pós-doutorando; UNIFIL; UNIFIL; UNOESTE; Monsanto do Brasil; DANIEL RICARDO SOSA GOMEZ, CNPSO.
Título: Tolerância de Anticarsia gemmatalis Hübner, Pseudoplusia includens (Walker) E Rachiplusia nu (Guenée) à proteína Cry1Ac.
Edição: 2012
Fonte/Imprenta: In: CONGRESSO BRASILEIRO DE SOJA, 6., 2012, Cuiabá. Soja: integração nacional e desenvolvimento sustentável: anais. Brasília, DF: Embrapa, 2012.
Páginas: 5 p.
Idioma: pt_BR
Palavras-chave: Entomologia
Conteúdo: A soja geneticamente modificada com o gene sintetico de Cry1Ac e uma alternativa ao controle quimico de lepidopteros pragas na cultura da soja. Com a introducao da soja Bt, tornam-se necessarios estudos de analise de risco para prevenir a selecao de insetos resistentes e tambem para compreender o nivel de suscetibilidade dos insetos-alvo a proteina Cry1Ac e com isso iniciar um programa de manejo de resistencia. O objetivo deste trabalho foi determinar a suscetibilidade de Anticarsia gemmatalis Hubner, Pseudoplusia includens (Walker) e Rachiplusia nu (Guenee) provenientes do Rio Grande do Sul a proteina Cry1Ac. Para determinar a suscetibilidade foi utilizada a proteina sintetica de Cry1Ac, MVPII (11,14%). Foram testadas sete concentracoes da proteina Cry1Ac, incorporadas na dieta artificial, apos geleificacao, em cada celula foi inoculada uma lagarta neonata. As lagartas foram mantidas na dieta por sete dias, apos esse periodo avaliou-se a mortalidade e o peso das lagartas sobreviventes. Observou-se que, em ordem decrescente de tolerancia, P. includens apresentou menor suscetibilidade (CL50 1,53 μg Cry1Ac.ml-1 de dieta) a proteina Cry1Ac, seguida por R. nu (CL50 0,70 μg Cry1Ac.ml-1) e por ultimo A. gemmatalis, a qual foi a especie com maior suscetibilidade (CL50 0,04 μg Cry1Ac.ml-1).
Ano de Publicação: 2012
Aparece nas coleções:Artigo em anais de congresso (CNPSO)

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
68s343.pdf194,85 kBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir

FacebookTwitterDeliciousLinkedInGoogle BookmarksMySpace