Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://www.alice.cnptia.embrapa.br/alice/handle/doc/949344
Unidade da Embrapa/Coleção:: Embrapa Acre - Artigo em periódico indexado (ALICE)
Data do documento: 2012
Tipo do Material: Artigo em periódico indexado (ALICE)
Autoria: SIVIERO, A.
DELUNARDO, T. A.
HAVERROTH, M.
OLIVEIRA, L. C.
MENDONÇA, A. M. S.
Informaçães Adicionais: AMAURI SIVIERO, CPAF-AC; MOACIR HAVERROTH, CPAF-AC.
Título: Plantas medicinais em quintais urbanos de Rio Branco, Acre.
Fonte/Imprenta: Revista Brasileira de Plantas Medicinais, Botucatu, v. 14, n. 4, p. 598-610, 2012.
Idioma: pt_BR
Palavras-chave: 0
Conteúdo: Este trabalho teve como objetivo realizar levantamento das espécies vegetais de uso medicinal cultivadas em quintais urbanos da cidade de Rio Branco. Foram realizadas entrevistas presenciais com aplicação de questionário especifico registrando as espécies vegetais de uso medicinal e dados sócio-econômicos dos moradores em 132 quintais urbanos de Rio Branco entre 2009 e 2010. Os bairros selecionados para o estudo foram: Aeroporto Velho, Placas, e Novo Horizonte, todos situados na periferia do município. Foram detectadas 83 espécies vegetais de uso medicinal pertencente a 50 famílias botânicas com destaque para Lamiaceae (12,0%) e Asteraceae (6,0%), sendo 66,2% exóticas, e 28,9% e 16,8%, associadas ao uso alimentar e ornamental, respectivamente. A decocção das folhas visando à obtenção do chá foi o principal modo de preparo das plantas. A análise de regressão logística entre a riqueza de espécies e diversos fatores socioeconômicos dos entrevistados mostrou que a probabilidade de ocorrência de espécies é três vezes maior em quintais manejados por moradores com idade superior a 50 anos de idade. A análise de correlação não paramétrica de fatores quantitativos mostrou que a variável tempo de moradia está mais correlacionada com a riqueza de plantas medicinais do que a variável idade. O cultivo das plantas medicinais em quintais urbanos de Rio Branco auxilia no combate a doenças e promove a conservação ex situ da agrobiodiversidade agroflorestal, bem estar aos moradores pela melhoria da paisagem, ambiência microclimática e espaço de lazer.
Ano de Publicação: 2013-02-14
Aparece nas coleções:Artigo em periódico indexado (CPAF-AC)

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
PlantasmedicinaisemquintaisurbanosRioBranco.pdf389,91 kBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir

FacebookTwitterDeliciousLinkedInGoogle BookmarksMySpace