Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://www.alice.cnptia.embrapa.br/alice/handle/doc/999354
Unidade da Embrapa/Coleção:: Embrapa Amapá - Resumo em anais de congresso (ALICE)
Data do documento: 6-Nov-2014
Tipo do Material: Resumo em anais de congresso (ALICE)
Autoria: LEMOS, L. do N.
ADAIME, R.
JESUS-BARROS, C. R. de
DEUS, E. da G. de
Informaçães Adicionais: RICARDO ADAIME DA SILVA, CPAF-AP; CRISTIANE RAMOS DE JESUS BARROS, CPAF-AP.
Título: Novos registros de Bactrocera carambolae (Diptera: Tephritidae) no Brasil.
Edição: 2014
Fonte/Imprenta: In: INTERNATIONAL SYMPOSIUM, 1.; MEETING OF THE POST-GRADUATE PROGRAM IN TROPICAL BIODIVERSITY, 5., 2014, Macapá. Conservation conflicts: XXI century challenges and solutions: abstract book. Macapá: Unifap: Conservação Internacional: Embrapa, 2014. p. 51-52.
Idioma: pt_BR
Notas: CB84.
Conteúdo: A mosca-da-carambola (Bactrocera carambolae Drew & Hancock) (Diptera: Tephritidae) é nativa da Indonésia, Malásia e Tailândia. Foi registrada pela primeira vez na América do Sul em 1975, em Paramaribo, Suriname. Foi detectada na Guiana Francesa em 1989 e em 1996 no estado do Amapá, Brasil, onde está restrita e sob controle oficial. Bactrocera carambolae é uma praga quarentenária e sua presença em áreas de produção pode causar restrições aos mercados consumidores mundiais. No Brasil, os seguintes hospedeiros de B. carambolae já são conhecidos: Averrhoa carambola (Oxalidaceae), Malpighia emarginata (Malpighiaceae), Psidium guajava (Myrtaceae), Pouteria caimito (Sapotaceae), Rollinia mucosa (Annonaceae) e Spondias mombin (Anacardiaceae). Este trabalho objetivou registrar novos hospedeiros de B. carambolae no estado do Amapá. Frutos foram coletados em três municípios: Santana (S W 51os frutos foram dispostos em frascosde plástico transparente (8 cm de diâmetro x 6 cm de altura) sobre camada de areia esterilizada e cobertos com organza. A cada cinco dias, a areia contida nos frascos foi examinada e os pupários foram transferidos para outros frascos e encobertos por vermiculita umedecida, até a obtenção dos adultos. Os insetos que emergiram foram sacrificados e transferidos para frascos ependorff contendo etanol a 70%, devidamente etiquetados, para posterior identificação. 557 Adultos de B. carambolae emergiram de nove espécies de plantas em seis famílias: Mangifera indica (Anacardiaceae), Malpighia emarginata (Malpighiaceae), Eugenia stipitata (Myrtaceae), Psidium guajava (Myrtaceae), Syzygium malaccense (Myrtaceae), Averrhoa carambola Oxalidaceae), Manilka zapota (Sapotaceae). Pouteria macrophylla (Sapotaceae) e Capsicum chinense (Solanaceae). Seis dessas espécies de plantas são registras pela primeira vez como hospedeiras de B. carambolae no Brasil: M. indica, E. stipitata, S. malaccense, M. zapota, P. macrophylla e C. chinense. No sudeste asiático, região de origem da mosca-da-carambola, 75 espécies de plantas de 26 famílias são relatadas como hospedeiras de B. caramboale. Na América do Sul, 20 hospedeiros de 9 famílias são conhecidos. Foi observado a ocorrência de B. carambolae em frutos de E. stipitata e P. macrophylla que são nativas da região amazônica. Embora os frutos dessas espécies de plantas tenham sido coletados de áreas antropizadas, o estudo mostrou que a mosca-da-carambola também está apta a usar plantas da flora amazônica como hospedeiras alternativas.
Thesagro: Praga de planta
Mosca das frutas
Ano de Publicação: 2014
Aparece nas coleções:Resumo em anais de congresso (CPAF-AP)

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
CPAFAP2014NovosregistrosdeBactroceracarambolae.pdf130,44 kBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir

FacebookTwitterDeliciousLinkedInGoogle BookmarksMySpace