Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://www.alice.cnptia.embrapa.br/alice/handle/doc/865923
Unidade da Embrapa/Coleção:: Embrapa Cerrados - Artigo em anais de congresso (ALICE)
Data do documento: 3-Nov-2010
Tipo do Material: Artigo em anais de congresso (ALICE)
Autoria: LIMA, C. A. DE
COHEN, K. de O.
FALEIRO, F. G.
JUNQUEIRA, N. T. V.
BELLON, G.
CASTELO BRANCO, M. T.
FUHRMANN, E.
LEÃO, A. J. P.
OLIVEIRA, R. R. de
Informaçães Adicionais: CRISTIANE ANDRÉA DE LIMA, UNB; KELLY DE OLIVEIRA COHEN, CPAC; FABIO GELAPE FALEIRO, CPAC; NILTON TADEU VILELA JUNQUEIRA, CPAC; GRACIELE BELLON, UNB; MARCOS TEIXEIRA CASTELO BRANCO, UPIS; ELISIANE FUHRMANN, UNB; ANTONIO JOSÉ PACHECO LEÃO, UNB; ROGERIO RODRIGUES DE OLIVEIRA, CPAC.
Título: Caracterização físico-química e de compostos funcionais em frutos de pitaya.
Edição: 2010
Fonte/Imprenta: In: CONGRESSO BRASILEIRO DE FRUTICULTURA, 21., 2010, Natal. Frutas: saúde, inovação e responsabilidade. Natal: SBF, 2010.
Idioma: pt_BR
Palavras-chave: Congresso
Fruta-do-dragão.
Conteúdo: A pitaya é uma fruta rústica, pertencente à família Cactaceae, sendo conhecida mundialmente como "Fruta-do-Dragão?. De acordo com a espécie, seus frutos podem apresentar características diversificadas, como formato, presença de espinhos, cor da casca e da polpa, refletindo em alta variabilidade genética (JUNQUEIRA et al., 2007). No Brasil é comum serem encontradas, em estágio nativo no Cerrado e Caatinga, espécies do gênero Selenicereus e Hylocereus, dentre elas a Selenicereus setaceus, popularmente conhecida como pitaya-do-cerrado (JUNQUEIRA et al., 2002). Atualmente, as espécies de pitaya mais cultivadas no mundo são a pitaya de casca vermelha (Hylocereus undatus (Haw.) Britton e Rose) e a de casca amarela (Selenicereus megalanthus (K. Schum ex Vaupel) (MIZRAHI et al., 1997; NERD et al., 2002). Devido ao seu sabor doce e suave, de polpa firme e repleta de sementes e aliado às suas propriedades nutricionais e funcionais, faz da pitaya um produto de grande aceitação nos mercados consumidores, o que têm despertado o interesse nos produtores. O alto valor pago pelo quilo da fruta, que pode variar de dez a sessenta reais, dependendo da época do ano e da demanda, também constitui um grande atrativo para o plantio dessa frutífera (JUNQUEIRA et al., 2002; SOUZA, 2010). Devido à escassez de estudos sobre a pitaya, torna-se fundamental a ampliação do conhecimento acerca dessa espécie, viabilizando a produção de mudas e fornecendo subsídios para a seleção de materiais promissores. Neste trabalho, objetivou-se realizar a caracterização físico-química e de compostos funcionais nas espécies de pitaya Hylocereus costaricencis e Hylocereus undatus.
Thesagro: Cerrado
Fruticultura
Pitaya.
Ano de Publicação: 2010
Aparece nas coleções:Artigo em anais de congresso (CPAC)

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
FabioFaleirocaracterizacao.doc62,5 kBMicrosoft WordVisualizar/Abrir

FacebookTwitterDeliciousLinkedInGoogle BookmarksMySpace