Please use this identifier to cite or link to this item: http://www.alice.cnptia.embrapa.br/alice/handle/doc/869359
Full metadata record
DC FieldValueLanguage
dc.contributor.authorLORENÇONI, R.pt_BR
dc.contributor.authorDOURADO NETO, D.pt_BR
dc.contributor.authorHEINEMANN, A. B.pt_BR
dc.date.accessioned2011-04-09T14:45:02Z-
dc.date.available2011-04-09T14:45:02Z-
dc.date.created2010-12-10pt_BR
dc.date.issued2010pt_BR
dc.identifier.citationRevista Ciência Agronômica, Fortaleza, v. 41, n. 4, p. 605-613, out./dez. 2010.pt_BR
dc.identifier.urihttp://www.alice.cnptia.embrapa.br/alice/handle/doc/869359pt_BR
dc.descriptionObjetivou-se com este trabalho calibrar o modelo ORYZA-APSIM e avaliar o seu desempenho na simulação do desenvolvimento, crescimento e produtividade da variedade cultivada de arroz de terras altas BRS-Primavera para as diferentes regiões produtoras dessa cultura. Na calibração foram definidas: as unidades de calor efetivo diário (HU); as taxas de desenvolvimento fenológico para cada estádio (DVR); as frações da massa de matéria seca das folhas (MSf), colmos (MSC) e órgãos armazenadores (panículas) (MSp), e os parâmetros para calcular a área foliar específica (AEF) simulada durante o ciclo da cultura. Na avaliação foram comparados os valores simulados com os observados do desenvolvimento fenológico (número de dias da emergência ao florescimento) e do crescimento da cultura (massa de matéria seca total da parte aérea (MSt) índice de área foliar (IAF)) e a produtividade (P). O modelo apresentou desempenho satisfatório na simulação do desenvolvimento fenológico para regiões próximas ao da calibração. Para latitudes próximas ao equador, como Teresina, PI, o desempenho fenológico foi insatisfatório. Para o crescimento, nos dois experimentos, o índice de área foliar (IAF) simulado diferiu do observado, e a MSt simulada foi semelhante a observada, mas diferiu entre o florescimento e a maturidade fisiológica. A MSf simulada foi satisfatória no primeiro experimento e regular no segundo. Isso é devido ao modelo superestimar os efeitos da deficiência hídrica que ocorreram durante a condução do segundo experimento. Entretanto, o modelo ORYZA-APSIM apresentou bom desempenho na simulação da ordem de produtividade ao nível de significância de 5%.pt_BR
dc.language.isoporpt_BR
dc.rightsopenAccesspt_BR
dc.subjectModelo ORYZA/APSIMpt_BR
dc.subjectCalibração fenológicapt_BR
dc.titleCalibração e avaliação do modelo ORYZA-APSIM para o arroz de terras altas no Brasil.pt_BR
dc.typeArtigo de periódicopt_BR
dc.date.updated2011-04-10T11:11:11Zpt_BR
dc.subject.thesagroArrozpt_BR
dc.subject.thesagroOryza sativapt_BR
dc.subject.thesagroModelo de simulaçãopt_BR
dc.subject.thesagroCrescimentopt_BR
dc.subject.thesagroBalanço hídricopt_BR
dc.subject.thesagroFenologiapt_BR
riaa.ainfo.id869359pt_BR
riaa.ainfo.lastupdate2011-02-14pt_BR
dc.contributor.institutionROGÉRIO LORENÇONI, ESALQ; DURVAL DOURADO NETO, ESALQ; ALEXANDRE BRYAN HEINEMANN, CNPAF.pt_BR
Appears in Collections:Artigo em periódico indexado (CNPAF)

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
485RCA.pdf257,33 kBAdobe PDFThumbnail
View/Open

FacebookTwitterDeliciousLinkedInGoogle BookmarksMySpace