Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://www.alice.cnptia.embrapa.br/alice/handle/doc/916888
Registro completo de metadados
Campo DCValorIdioma
dc.contributor.authorMEYER, M. C.pt_BR
dc.contributor.otherMAURICIO CONRADO MEYER, CNPSO.pt_BR
dc.date.accessioned2012-02-28T11:11:11Zpt_BR
dc.date.accessioned2012-02-28T11:11:11Zpt_BR
dc.date.available2012-02-28T11:11:11Zpt_BR
dc.date.available2012-02-28T11:11:11Zpt_BR
dc.date.created2011pt_BR
dc.date.issued2012-02-28pt_BR
dc.identifier.other32824pt_BR
dc.identifier.urihttp://www.alice.cnptia.embrapa.br/alice/handle/doc/916888pt_BR
dc.descriptionO fungo Sclerotinia sclerotiorum (Lib.) de Bary é um dos fitopatógenos mais antigos relacionados á doenças de plantas de alto potencial destrutivo. No Brasil, teve seu primeiro relato em 1921 e ocorre em diversas culturas de importância econômica, tais como soja, algodão, feijão e diversas hortaliças. Cerca de 12% da área cultivada com soja no Brasil está infestada por S. sclerotiorum, ocorrendo principalmente em regiões de temperaturas amenas (médias abaixo de 25°C), podendo apresentar níveis de redução de produtividade acima de 40%. O manejo da doença deve ser realizado através da adoção de medidas que visem a redução do inóculo (escleródios no solo) e/ou redução da taxa de progresso da doença, tais como: utilização de sementes de boa qualidade e tratadas com fungicidas adequados; formação de palhada para cobertura uniforme do solo, preferencialmente oriunda de gramíneas; rotação e/ou sucessão com culturas não hospedeiras; escolha de cultivares com arquitetura de plantas que favoreça uma boa aeração entre plantas (pouco ramificadas e com folhas pequenas) e com período mais curto de florescimento; população de plantas e espaçamento entrelinhas adequados às cultivares; emprego de controle químico, através de pulverizações foliares de fungicidas principalmente no período de maior vulnerabilidade da planta (início da floração até início da formação de vagens ou frutos); emprego de controle biológico através da infestação do solo com agentes antagonistas; limpeza de máquinas e equipamentos após utilização em área infestada para evitar a disseminação de escleródios. Pesquisas vêm sendo realizadas buscando o desenvolvimento de cultivares resistentes à doença em várias culturas, tanto pelo melhoramento clássico como pela transgenia.pt_BR
dc.description.uribitstream/item/54784/1/t0002.pdfpt_BR
dc.languagept_BRpt_BR
dc.publisherInformativo Abrates, Londrina, v. 21, n. 3, p. 15, dez. 2011.pt_BR
dc.relation.ispartofEmbrapa Soja - Resumo em anais de congresso (ALICE)pt_BR
dc.rightsopenAccesspt_BR
dc.titleManejo de Sclerotinea sclerotiorum para a sustentabilidade de produção.pt_BR
dc.typeResumo em anais de congresso (ALICE)pt_BR
dc.date.updated2012-02-29T11:11:11Zpt_BR
dc.description.version2011pt_BR
dc.subject.thesagroMofo Branco.pt_BR
dc.description.notesResumo de palestra apresentada no XI Simpósio Brasileiro de Patologia de Sementes, Natal, ago. 2011.pt_BR
dc.ainfo.id916888pt_BR
dc.ainfo.lastupdate2012-02-29pt_BR
dc.ainfo.depositanteCarga automáticapt_BR
Aparece nas coleções:Resumo em anais de congresso (CNPSO)

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
t0002.pdf484,43 kBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir

FacebookTwitterDeliciousLinkedInGoogle BookmarksMySpace