Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://www.alice.cnptia.embrapa.br/alice/handle/doc/154010
Unidade da Embrapa/Coleção:: Embrapa Semiárido - Artigo em anais de congresso (ALICE)
Data do documento: 23-Ago-2004
Tipo do Material: Artigo em anais de congresso (ALICE)
Autoria: NASCIMENTO, T.
SOARES, J.M.
GRANGEIRO, L. C.
LIMA FILHO, J. M. P.
Informaçães Adicionais: JOSÉ MONTEIRO SOARES, CPATSA.
Título: Manejo de água no periódo de pré-floração e de floração na cultura da videira no Submédio São Francisco.
Edição: 2004
Fonte/Imprenta: In: CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA AGRÍCOLA- CONBEA, 33., 2004, São Pedro, SP. Anais... Campinas : UNICAMP, Faculdade de Engenharia Agrícola: Embrapa Informática Agropecuária, 2004. 1 CD-ROM.
Idioma: pt_BR
Palavras-chave: Uva
Floração
Pré-floração
Coeficiente de cultura
Potencial hídrico na folha
Produtividade
Manejo da água
Brasil
Submédio São Francisco
Conteúdo: Este estudo foi conduzido em uma fazenda privada, localizada no município de Petrolina - PE, utilizando videira Festival, com dois anos de idade, conduzida no sistema de latada, espaçamento de 3,5 m x 3,0 m, sob irrigação por microaspersão. O solo é da classe Areia Quartzosa profundo, bem drenado e baixa retenção de água. Os tratamentos foram constituidos por quatro lâminas de água (Kc inicial de 0,60 para os tratamentos A, B, C e D, decrescidos diariamente, respectivamente, de 0,00; 0,03; 0,06 e 0,09, dos 25 aos 36 dias após a poda), aplicadas ao longo do estádio de pré e de plena floração, durante o primeiro ciclo e por cinco lâminas, durante os dois ciclos seguintes. Observou-se durante o primeiro ciclo produtivo, que houve um decréscimo acentuado no conteúdo de água no solo, na camada de 0,00 a 0,20 m, no período de (25 a 36 dias após a poda), tendo a redução mostrando-se mais severa no tratamento D. Durante o terceiro ciclo, a redução do conteúdo de água no solo, na camada de 0,00 a 0,20m, tornou-se ainda mais severa em todos os tratamentos, quando comparado com os obtidos no primeiro ciclo, tendo o tratamento D mostrado-se como o mais crítico, o que condicionou uma paralisação marcante do crescimento dos ramos. Verificou-se, que houve diferença significativa entre tratamentos, no que concerne ao potencial hídrico da folha, tendo o tratamento D, apresentado o potencial mais negativo (-1,658 Mpa). Não se constatou diferença si.
Ano de Publicação: 2004
Aparece nas coleções:Artigo em anais de congresso (CPATSA)

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
OPB805.pdf176,85 kBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir

FacebookTwitterDeliciousLinkedInGoogle BookmarksMySpace