Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://www.alice.cnptia.embrapa.br/alice/handle/doc/515005
Unidade da Embrapa/Coleção:: Embrapa Caprinos e Ovinos - Artigo em periódico indexado (ALICE)
Data do documento: 17-Set-1998
Tipo do Material: Artigo em periódico indexado (ALICE)
Autoria: FERREIRA, R. N.
PEREZ, J. R. O
TEIXEIRA, J. C.
FERNANDES, F. D.
MUNIZ, J. A.
Informaçães Adicionais: JÚLIO CÉSAR TEIXEIRA, CNPC; FRANCISCO DUARTE FERNANDES, CNPC.
Título: Avaliação de caroço de algodão na alimentação de ovinos.
Edição: 1989
Fonte/Imprenta: Ciência e Prática, Lavras, v. 13, n. 3, p. 237-247, 1989.
Idioma: pt_BR
Palavras-chave: Caroco de algodao
Utilizacao
Utilization.
Conteúdo: Este trabalho foi realizado corn dezesseis ovinos, no Estábulo Experi- mental do Departamento de Zootecnia da Escola Superior de Agricultura de Lavras-ESAL. Os tratamentos foram os seguintes: A - concentrado à base de milho e farelo de algodão; B - concentrado à base de milho e substituição de 50% do farelo de algodão par caroço de algodão cru; C - concentrado à base de milho e caroço de algodão cru e D - concentrado à base de milho e caroço de algodão tostado. As rações foram formuladas para serem isonitrogenadas (20% PB) e isoenergéticas (3,4 Mcal/kg de ED). O delineamento experimental adotado foi o de blocos casualizados, com 4 tratamentos e 4 repetições, com duração de 21 dias, sendo 14 dias de periodo pré-experimental e 7 dias de coleta. Observou-se que o consumo de matéria seca foi menor com a inclusão do caroço de algodão tostado. A digestibilidade da matéria seca do concentrado do tratamento C foi superior à dos tratamentos A, B e D, e os respectivos coeficientes de digestibilidade foram 75,77; 74,58; 81,05 e 67,21. Não houve diferença entre os tratamentos com relação à digestiiblidade da proteína bruta, extrato etéreo e energia. O balanço de nitrogênio não foi alterado em função dos diferentes tratamentos. Os animais do tratamento B apresentaram maior teor médio de glicose sanguinea que os animais do tratamento C, os valores foram: 76,75; 86,88; 66,38 e 71,75, para os tratamentos A, B, C e D, respectivamente. O pH, as concentrações de uréia sanguinea e dos acidos acético e propiônico do liquido ruminaI não foram alterados. A concentração do acido butirico do liquido ruminaI dos animais do tratamento A foi superior à dos tratamentos C e D. Nas condições do presente trabalho o caroço de algodão pode substituir o farelo de algodão como suplemento protéico para ruminantes, com base nos parâmetros avaliados, não se justificando a sua tostagem.
Thesagro: Ovino.
NAL Thesaurus: cottonseed
sheep.
Ano de Publicação: 1989
Aparece nas coleções:Artigo em periódico indexado (CNPC)

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
APIAvaliacaodecaroco.pdf3,32 MBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir

FacebookTwitterDeliciousLinkedInGoogle BookmarksMySpace