Please use this identifier to cite or link to this item: http://www.alice.cnptia.embrapa.br/alice/handle/doc/865688
Research center of Embrapa/Collection: Embrapa Pecuária Sudeste - Resumo em anais de congresso (ALICE)
Date Issued: 2010
Type of Material: Resumo em anais de congresso (ALICE)
Authors: DIAS, M.
JACINTO, M. A. C.
ANDREOLLA, D. L.
OLIVEIRA, A. R. de
BARIONI JUNIOR, W.
BERTOLONI, W.
PEREIRA, M. de A.
Additional Information: MARIANA DIAS, UFSCar/SÃO CARLOS, SP; MANUEL ANTONIO CHAGAS JACINTO, CPPSE; DOUGLAS L. ANDREOLLA, UFMS/CAMPO GRANDE, MS; ALEXANDRA R. de OLIVEIRA, UNESP/JABOTICABAL; WALDOMIRO BARIONI JUNIOR, CPPSE; WILLIAN BERTOLONI, UFMS/CAMPO GRANDE, MS; MARIANA DE ARAGAO PEREIRA, CNPGC.
Title: Fatores envolvidos na classificação de peles e couros bovinos nos Estados de Mato Grosso e Rio Grande do Sul.
Publisher: In: JORNADA CIENTÍFICA - EMBRAPA SÃO CARLOS, 2., 2010, São Carlos, SP. Anais... São Carlos: Embrapa Instrumentação Agropecuária: Embrapa Pecuária Sudeste, 2010.
Language: pt_BR
Keywords: Classificação
Bovinos.
Description: O setor de peles e couros no Brasil apresenta fortes indicadores de competitividade, em 2008 foram exportados US$ 1,88 bilhão em couros e importados US$ 149,4 milhões, gerando um saldo de US$ 1,73 bilhão (Saldo, 2009). Apesar de sua importância, o Brasil produz peles de baixa qualidade e não existem políticas que determinem a remuneração pela qualidade da pele, fundamental para a redução de defeitos. Decorrente da relevância do problema e de trabalhos anteriores (Pereira et al., 2007), foi proposto o estudo de um sistema de classificação de peles bovinas composto de três categorias: A (melhor), B (segunda melhor) e D (desclassificada), segundo Instrução Normativa (IN) MAPA nº 12 (Brasil, 2002), que classifica as peles bovinas porém, com a substituição do nível ?C? pelo ?D?. A área de observação proposta na mesma IN foi ampliada, da região do (dorsal), para toda pele. Foram utilizadas no experimento, 1000 peles fornecidas por dois frigoríficos de Várzea Grande, MT e 1000 peles fornecidas por um frigorífico de Bagé, RS. Após o abate e a esfola dos animais, as peles foram transportadas para um curtume e identificadas. Todas as 1000 peles avaliadas no Mato Grosso e 940 (94,0%) no Rio Grande do Sul foram desclassificadas (D) por apresentar, pelo menos, uma marca a fogo no , conforme a IN nº 12. A classificação comercial foi realizada com os couros inteiros (peles curtidas), no estagio . Na classificação comercial foram avaliados os defeitos que depreciam o couro: ectoparasitas, ferimentos e marca a fogo. Os defeitos foram quantificados e expressos em intensidades: ?pouco?(1), ?médio?(2) e ?muito?(3), considerando também a ausência de defeitos. Devido à intensidade e localização dos defeitos, os couros foram classificados em seis classes: A, B, C, D, E, R. A classe ?A? foi atribuída a couros de melhor qualidade e, decrescendo em qualidade (A a R), o ?R? foi considerado refugo. No Estado de Mato Grosso, durante a classificação comercial, não foi encontrado couro da melhor classificação (A), e somente 14 (1,4%) couros da classe (B), no universo de 1.000 couros avaliados. No Estado de Rio Grande do Sul, foram identificados 248 (24,8%) de couros da classe (A) e 143 (14,3%) da classe (B). Considerando os dados encontrados pode-se afirmar que o couro do Estado do Rio Grande do Sul é melhor qualitativamente do que os do Estado do Mato Grosso.
Thesagro: Couro.
Data Created: 2010-10-29
Appears in Collections:Resumo em anais de congresso (CPPSE)

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
PROCIMACJ2010.00139.pdf12,55 kBAdobe PDFThumbnail
View/Open

FacebookTwitterDeliciousLinkedInGoogle BookmarksMySpace