Please use this identifier to cite or link to this item: http://www.alice.cnptia.embrapa.br/alice/handle/doc/904344
Research center of Embrapa/Collection: Embrapa Acre - Artigo em anais de congresso (ALICE)
Date Issued: 2011
Type of Material: Artigo em anais de congresso (ALICE)
Authors: BRITO, E. de S.
COSTA, F. de S.
CARVALHO JUNIOR, J. A. de
SILVA, L. M. da
ALMEIDA, G. A. D. V.
Additional Information: ERBESSON DE SOUZA BRITO, UFAC; FALBERNI DE SOUZA COSTA, CPAF-AC; JOÃO ANDRADE DE CARVALHO JUNIOR, UNESP; LUCIELIO MANOEL DA SILVA, CPAF-AC; GLEICIANE A. D. VINCULA ALMEIDA, BOLSISTA EMBRAPA ACRE.
Title: Estoques de carbono em solos sob florestas primárias no sudoeste da Amazônia.
Publisher: In: CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIA DO SOLO, 33., Uberlândia, MG, 2011. Solos nos biomas brasileiros: sustentabilidade e mudanças climáticas: anais. [Uberlândia]: SBCS: UFU, ICIAG, 2011. 1 CD-ROM.
Language: pt_BR
Keywords: Floresta primária
Estoque de carbono
Argissolo
Neossolo
Sudoeste da Amazônia
Acre
Vale do Juruá
Vale do Alto Acre.
Description: As incertezas nas estimativas de carbono de solo, devidas a fatores como geologia, relevo, clima e vegetação, interferem nas estimativas do balanço de carbono nos compartimentos solo, vegetação e atmosfera na Amazônia, com efeitos regionais e globais. Procurando colaborar com a redução dessas incertezas, neste estudo foi estimado o armazenamento total de carbono em solos sob florestas primárias do estado do Acre – regionais do vale do Juruá e do Alto Acre, sudoeste da Amazônia brasileira. Os solos (Argissolos, Latossolos e Neossolo) foram amostrados na camada de 0-0,30 m (0-0,5; 0,05-0,10; 0,10-0,15; 0,15-0,20 e 0,20-0,30 m) e analisados para densidade aparente e teores de carbono. O estoque de carbono orgânico na camada de 0-0,30 m variou de 15,1 a 46,6 Mg ha-1, com amplitude de 31,5 Mg ha-1. Entre as áreas, a média (± erro padrão) dos estoques de carbono foi de 25,1 ± 1,3 Mg ha-1. Os resultados deste estudo indicam que as classes de solo que mais estocam carbono são aquelas em que a textura é mais arenosa. Entretanto, este resultado não pode ser interpretado diretamente. Solos mais arenosos podem ter mais carbono no momento da amostragem, o que é confirmado pelos resultados das análises. Entretanto, nesses solos, por estar menos protegido fisicamente, o carbono pode ser mais facilmente degradado biologicamente ou lixiviado na solução do solo.
Thesagro: Latossolo.
Data Created: 2011-10-28
Appears in Collections:Artigo em anais de congresso (CPAF-AC)

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
23963.pdf178,41 kBAdobe PDFThumbnail
View/Open

FacebookTwitterDeliciousLinkedInGoogle BookmarksMySpace