Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://www.alice.cnptia.embrapa.br/alice/handle/doc/999613
Unidade da Embrapa/Coleção:: Embrapa Amapá - Resumo em anais de congresso (ALICE)
Data do documento: 10-Nov-2014
Tipo do Material: Resumo em anais de congresso (ALICE)
Autoria: MALHEIROS, D. F.
TAVARES-DIAS, M.
Informaçães Adicionais: MARCOS TAVARES DIAS, CPAF-AP.
Título: Concentração letal (CL50) do óleo essencial de mentha piperita (lamiaceae) em pirarucus arapaima gigas.
Edição: 2014
Fonte/Imprenta: In: INTERNATIONAL SYMPOSIUM, 1.; MEETING OF THE POST-GRADUATE PROGRAM IN TROPICAL BIODIVERSITY, 5., 2014, Macapá. Conservation conflicts: XXI century challenges and solutions: abstract book. Macapá: Unifap: Conservação Internacional: Embrapa, 2014. p. 88.
Idioma: pt_BR
Notas: US100.
Conteúdo: Na piscicultura, diversos produtos fitoterápicos vêm sendo usados no tratamento das parasitoses, principalmente causadas por helmintos. Mentha piperita, planta usada na medicina popular para tratar nauseas, vômitos, indigestão, desordens estomacais, cólicas mestruais e verminoses não tem sido testada em peixes, incluindo pirarucu Arapaima gigas. Porém, é importante conhecer a toxicidade de qualquer produto antes de recomendar a sua concentração terapêutica. Este ensaio realizado no Laboratório de Sanidade de Organismos Aquáticos da Embrapa Amapá, Macapá (AP), teve como objetivo determinar a concentração letal média (CL50-4h) do óleo essencial (OE) de M. piperita para pirarucus. Neste ensaio de toxicidade utilizou-se 168 alevinos de pirarucu (34,7 ± 12,4 g e 16,8 ± 2,0 cm) que após aclimatação foram distribuídos aleatoriamente em 14 tanques com volume para 80 L de água e na densidade de 12 peixes/tanque. O delineamento experimental foi inteiramente casualizado, constituído por dois grupos controles (um somente água do cultivo e outro água do cultivo contendo 80 ?L de álcool etílico absoluto) e seis concentrações (20, 40, 80, 100, 130 e 160 mg/L) de OE de M. piperita em duplicatas. As concentrações do OE foram diluídas em álcool etílico (1g:10 mL). Durante o período de 4 horas de exposição ao OE, os peixes foram mantidos sem alimentação, em sistema estático de água e a CL50-4h, foi calculada usando o método de Trimmed Spearman-Karber. Os resultados mostraram que a CL50-4h de M. piperita foi 38 mg/L, com intervalo de confiança (95%) variando de 30-40 mg/L. Portanto, o teste de toxicidade aguda indica que as concentrações clínicas para banhos terapêuticos de pirarucus com OE de M. piperita devem ser abaixo desses valores obtidos, para evitar mortalidade dos peixes, que é indesejada em qualquer piscicultura durante o tratamento antiparasitário.
Thesagro: Parasito de animal
Helmintologia
Fitoterapia
Toxicologia
Ano de Publicação: 2014
Aparece nas coleções:Resumo em anais de congresso (CPAF-AP)

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
CPAFAP2014Concentracaoletal.pdf65,49 kBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir

FacebookTwitterDeliciousLinkedInGoogle BookmarksMySpace